ONU: "Península Coreana é mais tensa e perigosa questão de paz e segurança"

Ouvir /

Secretário-geral revela profunda preocupação com risco de confronto militar; Em sessão do Conselho de Segurança, Guterres declara que ações do país desrespeitam vontade e resoluções órgão.

António Guterres frisou que ações da Coreia do Norte mostram um flagrante desrespeito pela vontade e pelas resoluções do Conselho de Segurança.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque. 

O secretário-geral declarou esta sexta-feira que a situação na Península Coreana é a mais tensa e perigosa questão de paz e segurança no mundo de hoje, numa sessão ministerial do Conselho de Segurança que debateu a Coreia do Norte.

Falando em Nova Iorque, António Guterres disse estar "profundamente preocupado" com o risco de confronto militar, que também pode resultar de uma escalada involuntária ou de um erro de cálculo.

Diplomacia

A reunião acontece três dias depois de o Conselho ter acompanhado o informe do subsecretário-geral dos Assuntos Políticos. Jeffrey Feltman falou sobre a sua visita ao país e dos contactos com figuras da diplomacia norte-coreana.

Os participantes no encontro liderado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Taro Kono, incluíram o secretário de Estado norte-americano Rex Tillerson.

Urânio

Guterres disse que a Agência Internacional de Energia Atómica ainda não tem acesso ao país e usa satélites para monitorar ações nucleares.

A entidade da ONU observar indícios de ações de mineração, moagem e concentração em minas de urânio de Pyongsan e instalações de concentração do elemento químico em Pyongsan.

Guterres frisou que a Coreia do Norte continua o único país que quebra as regras contra testes nucleares.

Para o chefe da ONU, em 2017 os programas de mísseis nucleares e balísticos ocorreram "a ritmo alarmante e acelerado".

Em setembro, o país realizou o seu sexto teste nuclear num ano em que ocorreram 20 lançamentos de mísseis balísticos.

Não-proliferação

Para o secretário-geral essas ações mostram um flagrante desrespeito pela vontade e pelas resoluções do Conselho de Segurança e prejudica as normas internacionais contra testes nucleares e o regime de não-proliferação.

Guterres mencionou três áreas-chaves para as quais o Secretariado das Nações Unidas "acrescenta valor estratégico ao diálogo com a Coreia do Norte".

Para o secretário-geral, em primeiro lugar está a imparcialidade. Em segundo, a voz e as normas, os valores e os princípios para soluções pacíficas e diplomáticas de acordo com o direito internacional.

Por último, o secretário-geral declarou que a ONU pode proporcionar canais de comunicação com todas as partes.

Para António Guterres, a ONU é um local vital onde as seis partes envolvidas no processo estão representadas e podem interagir para lidar com diferenças com vista a compreender e promover medidas para reforçar a confiança. 

Notícias relacionadas:

Guterres debate Península Coreana em encontro com primeiro-ministro japonês

Subsecretário-geral visita Coreia do Norte e deixa “porta entreaberta”

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 16 DE JANEIRO DE 2018
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 16 DE JANEIRO DE 2018
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

janeiro 2018
S T Q Q S S D
« dez    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031