Civis na Somália continuam sofrendo com "peso terrível" do conflito

Ouvir /

Relatório preparado pelo Escritório de Direitos Humanos da ONU e missão da organização no país indica mais de 2 mil mortes entre janeiro de 2016 e outubro de 2017; 60% das fatalidades foram causadas por militantes Al Shabaab.

Bandeira da Somália. Foto: ONU/Stuart Price

Leda Letra, da ONU News em Nova Iorque.

Um relatório preparado pelas Nações Unidas mostra que o conflito armado na Somália continua gerando um enorme peso nos civis, destruindo infraestruturas e meios de subsistência, além de causar deslocamento de pessoas e impedir acesso à ajuda humanitária.

O estudo foi feito em conjunto pelo Escritório de Direitos Humanos da ONU e pela Missão de Assistência das Nações Unidas na Somália, Unsom. Mais de 2 mil civis foram mortos no período avaliado, entre janeiro de 2016 e outubro de 2017. O total de feridos passou de 2,5 mil.

Milícias

Segundo o relatório, o grupo terrorista Al Shabaab teria sido responsável por 60% das fatalidades. Já milícias que pertencem a clãs causaram 13% dos casos, enquanto 11% dos mortos e feridos foram vítimas do Exército ou da polícia, 4% da União Africana na Somália, Amisom, e 12% a agressores não identificados.

O representante especial do secretário-geral da ONU na Somália declarou que "os civis estão pagando o preço da falha em resolver o conflito por meios políticos".

Michael Keating lamentou que os lados envolvidos "simplesmente não estão fazendo o suficiente para proteger os civis da violência", o que para ele "é uma vergonha".

Ataque

De acordo com o relatório, os civis foram vítimas de ataques suicidas ou de bombas, sendo que ambos são proibidos pela lei internacional de direitos humanos e na maioria dos casos, são considerados "crimes de guerra". Por isso, a ONU afirma ser "imperativo que os autores sejam identificados e julgados".

O pior incidente mencionado no documento foram as explosões de duas bombas na capital da Somália, Mogadíscio, causando 512 mortes e mais de 300 feridos. A ação de 14 de outubro foi, segundo o governo, realizada pelo Al Shabaab.

O representante da ONU no país, Michael Keating, afirmou que o ataque "bárbaro foi um dos piores já ocorridos no continente e talvez no mundo".

Crianças

O estudo mostra ainda que a seca aumentou os conflitos entre clãs, causando competições por recursos. Como consequência, as perspectivas para paz de longo prazo diminuem e a proteção aos civis enfraquece.

As crianças também são expostas a "graves violações durante operações militares, sendo assassinadas e detidas por forças de segurança somalis. O recrutamento de menores também chama a atenção: desde janeiro deste ano, mais de 3,3 mil crianças foram obrigadas a lutar no conflito, sendo 71,5% recrutadas pelo Al Shabaab.

O alto comissário da ONU para Direitos Humanos, Zeid Al Hussein, declarou que apesar de ser desafiador alcançar um "equilíbrio entre direitos humanos e segurança, respeitar os direitos e proteger os civis é essencial para a base de um país forte e legítimo".

Notícias Relacionadas:

FAO diz que 37 países precisam de ajuda alimentar

Relatores pedem solidariedade para migrantes

ONU quer recorde de US$ 22,5 bilhões para ajuda humanitária em 2018

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 16 DE JANEIRO DE 2018
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 16 DE JANEIRO DE 2018
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

janeiro 2018
S T Q Q S S D
« dez    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031