Guterres viajará à República Centro-Africana para destacar "situação frágil"

Ouvir /

Na visita à nação africana, secretário-geral passará dia das Nações Unidas com operação de paz para prestar homenagem aos boinas-azuis em todo o mundo; desde o início do ano, 67 soldados de paz morreram em serviço.

Foto: ONU/Mark Garten

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou que viajará à República Centro-Africana na próxima semana para passar o Dia das Nações Unidas, celebrado em 24 de outubro, com uma operação de paz. O chefe da organização quer prestar homenagem aos boinas-azuis em todo o mundo.

Para Guterres, as operações de paz estão entre as ferramentas mais eficazes da comunidade internacional para enfrentar os desafios globais de paz e segurança.

Soldados de paz

O secretário-geral alertou que desde o início do ano, 67 soldados de paz morreram em serviço e prestou tributo a seu sacrifício. Na República Centro-Africana, 12 militares perderam a vida em "atos hostis" apenas este ano.

Segundo Guterres, é "importante lembrar" que há cinco anos, havia "atrocidades em massa" no país e as forças de paz da ONU "ajudaram a evitar o pior".

Pouca atenção

O secretário-geral declarou, no entanto, que a situação continua "muito preocupante" e que sua visita também busca chamar atenção para a "situação frágil; que frequentemente está longe da atenção da mídia".

Ele afirmou que em todo o país, as tensões entre comunidades estão crescentes, a violência está se espalhando e a situação humanitária piorando.

Emergência humanitária

Desde o início deste ano, o número de deslocados internos quase dobrou chegando a 600 mil e o de refugiados passou de 500 mil. Guterres alertou ainda que, apesar das necessidades crescentes, há questões relacionadas ao acesso e segurança para ações de ajuda.

Segundo ele, a República Centro-Africana é um dos lugares mais perigosos do mundo para trabalhadores humanitários e, apenas neste ano, 12 foram mortos no país.

Além disso, os apelos da ONU para ajuda de emergência foram apenas 30% financiados.

Prevenção a abusos

O secretário-geral afirmou que também quer impulsionar a nova abordagem da ONU para combater e prevenir exploração e abuso sexuais.

Ele afirmou que o "bom trabalho e sacrifício tremendo de soldados de paz ao redor do mundo foi manchada pelos terríveis atos de alguns funcionários da ONU que fizeram mal a pessoas que deveriam servir".

Guterres anunciou que durante sua visita será acompanhando por Jane Connors, que foi nomeada por ele como a primeira defensora para os direitos das vítimas.

Avanços

Para o chefe da ONU, esse é um "momento crítico" para a República Centro-Africana, ressaltando que "muito foi alcançado, incluindo a eleição de uma presidente e um governo, após o inclusivo Fórum de Bangui".

O secretário-geral defendeu ser preciso fazer todo o possível para "preservar essas conquistas, apoiar a operação de paz da ONU e manter a paz". Guterres declarou ainda que "não há solução militar para a crise".

 

Notícias Relacionadas:

“Que a comunidade internacional não abandone a República Centro-Africana”

ONU deve liderar “aumento da diplomacia” para paz, diz Guterres

Crise humanitária centro-africana precisa de quase US$ 500 milhões

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 22 DE NOVEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 22 DE NOVEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930