Banco Mundial anuncia crescimento para América Latina em 2017 e 2018

Ouvir /

Em novo relatório, instituição estimula adoção de medidas contracíclicas, de modo a formar reservas para tempos de crise; no próximo ano, crescimento deve ser de 2,3%.

Brasil retoma crescimento econômico em 2017. Foto: Agência Brasil

Mariana Ceratti, de Washington, para a ONU News*

O Banco Mundial divulgou nesta quarta-feira, em Washington, capital dos Estados Unidos, que a economia da América Latina e do Caribe terá uma expansão de 1,2% este ano, puxada pela América do Sul.

Já para 2018, o crescimento latino-americano será quase o dobro ficando em 2,3%.

Brasil

Depois de dois anos de recessão, o Brasil crescerá 0,7% em 2017 e 2,3% em 2018. Os dados estão no relatório semestral do economista-chefe para a América Latina e Caribe, Carlos Végh, que se concentra na conexão entre as políticas fiscal e monetária.

Gerenciá-las de forma equilibrada será fundamental para a região retomar um crescimento econômico sustentável em um momento de poucos impulsos externos, segundo o especialista.

Ele afirmou que diferentemente do que ocorreu em outros períodos, América Latina e Caribe não poderão contar com fatores externos, como o aumento do preço das matérias-primas e a influência positiva de países como a China.

Reservas

Segundo o relatório, um passo importante para isso é a implementação de políticas econômicas contracíclicas. Ou seja: que usam os períodos de bonança para baixar o gasto público e subir as taxas de juros, de modo a formar uma reserva para os períodos de crise. Hoje, a maioria dos países da região adota medidas assim.

Já o Brasil, com uma trajetória procíclica, é uma exceção à tendência latino-americana. No fim da primeira década dos anos 2000, aproveitando o bom momento da economia, o país aumentou muito seus gastos públicos e, em 2011, cortou os juros de forma agressiva.

O Banco Central do Brasil voltou a subir a taxa básica entre 2012 e 2016, quando a economia do país desacelerou e, depois, entrou em recessão. Esses movimentos impactaram não só o orçamento do país, mas também a população.

Gastos públicos

Segundo o Banco Mundial, por si só, a adoção de políticas contracíclicas não garante a retomada de um crescimento forte e sustentável. Além disso, não é fácil colocá-las em ação quando existe pouco espaço fiscal, como agora: 28 dos 32 países fecharão 2017 com saldo negativo.

Por esses motivos, o documento também alerta para a necessidade de reorganizar os gastos públicos de modo responsável e promover reformas para modernizar a economia. Assim, podem sobrar mais recursos para investir em infraestrutura, educação, saúde e outros serviços.

Outras recomendações são fortalecer a independência dos bancos centrais, buscar níveis baixos de dolarização da economia e adotar medidas para aumentar a credibilidade dos mercados.

A apresentação do relatório sobre a América Latina e o Caribe faz parte das reuniões anuais que o Banco e o Fundo Monetário Internacional promovem até domingo.

*Reportagem do Banco Mundial no Brasil 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 20 DE OUTUBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 20 DE OUTUBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

outubro 2017
S T Q Q S S D
« set    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031