ONU estima que 767 milhões de pessoas vivem na pobreza extrema

Ouvir /

Organização pede "atuação a um ritmo mais rápido e em escala muito maior" para alcançar metas globais; Ásia Oriental e do Sudeste registam progressos significativos; 42% dos habitantes ainda vivem em extrema pobreza na África Subsaariana.

Amina Mohammed. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré (arquivo)

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

Para as Nações Unidas a persistência da pobreza é o principal desafio para se alcançar as metas globais. Uma reunião da Assembleia Geral avaliou os avanços  na implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, ODSs, que foram realizados durante a 71ª sessão do órgão.

De acordo com a vice-secretária-geral, Amina Mohammed, deve ser realçada a abordagem da igualdade de género e o uso de novas tecnologias para enfrentar essa questão.

Privações

A representante citou dados mais recentes que mostram que a taxa de pobreza extrema é de até 11%, que se traduz em cerca de 767 milhões de pessoas que ainda vivem com privações severas.

Mohammed disse que as regiões da Ásia Oriental  e do Sudeste fizeram progressos significativos em contraste com os 42% dos habitantes da África Subsaariana continuaram a viver nem pobreza extrema.

Consciência

O pronunciamento foi feto na semana que antecede o início a 72ª sessão do maior órgão deliberativo da organização.

A vice-secretária-geral disse que, desde a sua adoção há dois anos, os ODSs deram um salto do Salão da Assembleia Geral para comunidades de todo o mundo onde se requer ação de decisores políticos e consciência pública mundial.

Mohammed elogiou os 65 Estados-membros que fizeram a apresentação voluntária da sua situação, no que considera "oportunidade para compartilhar soluções, conhecimentos e identificar os desafios da implementação da agenda".

No entanto, a representante enfatizou que o ritmo dos progressos ainda não é suficiente para cumprir o prazo da Agenda 2030. Para tal, os governos devem atuar a um ritmo mais rápido e uma escala muito maior, ressaltou.

Cimeira

As Nações Unidas organizam uma cimeira climática em 2019 para dar um maior impulso à ambição para o cumprimento das metas. Mohammed disse que os requisitos de financiamento para os ODSs e para o Acordo de Paris são consideráveis e requerem soluções transformadoras.

A vice-secretária-geral considera a Agenda 2030 "a melhor ferramenta da comunidade internacional para um mundo mais próspero e pacífico", daí o seu apelo ao envolvimento ativo de todos pelos povos, pela paz, pela prosperidade e por um planeta saudável.

Notícias relacionadas:

Unicef: número de crianças fora da escola não diminuiu em 10 anos

Reunião na ONU debate a nova agenda urbana e o futuro das cidades 

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE SETEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE SETEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

setembro 2017
S T Q Q S S D
« ago    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930