Moçambique abriga fórum para combater tráfico de pessoas com albinismo

Ouvir /

Encontro regional de dois dias decorre em Pemba, norte do país lusófono, e foi organizado pelas agências da ONU para migrações e infância, em parceria com autoridades; representantes de Malaui e Tanzânia também participam.

Crianças com albinismo muitas vezes sofrem abusos em África Austral. Foto: Unicef Moçambique/ Sergio Fernandez

Laura Gelbert Delgado, da ONU News em Nova Iorque.

Agências das Nações Unidas estão a unir forças com governos de África Austral para proteger pessoas com albinismo, que muitas vezes são vítimas de abusos como mutilação, tráfico e até assassinato, ligados à crenças que partes de seus corpos têm poderem mágicos em poções.

Um fórum regional de dois dias sobre proteção e prevenção e combate ao tráfico humano de pessoas com albinismo em Moçambique, Malaui e Tanzânia esta a decorrer em Pemba, norte do país lusófono.

Participantes

Esta é a primeira formação deste tipo e foi organização pela Organização Internacional para Migrações, OIM, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, e procurador-geral de Moçambique e o procurador da província de Cabo Delgado.

Participantes incluem representantes de órgãos de coordenação de combate ao tráfico dos três países, além de promotores, policiais, instituições nacionais de direitos humanos e ONGs voltadas à proteção de pessoas com albinismo, entre outros.

Crianças

O representante do Unicef em Moçambique, Marcoluigi Corsi, falou de ações da agência e ressaltou a campanha #TodosIguais, lançada nas redes sociais em 2015 após casos de sequestro e morte de crianças com albinismo no país.

O objetivo é chamar atenção sobre o assunto e, segundo Corsi, a campanha, em andamento, já chegou a 5 milhões de pessoas até o momento.

Plano de ação

Moçambique, Malaui e Tanzânia partilham fronteiras e, segundo a OIM, são países de origem ou destino de tráfico de pessoas com albinismo e partes de seus corpos.

O fórum resultará em um plano de ação de cooperação através de fronteiras para a prevenção e combate a crimes relacionados ao tráfico humano e para proteção dos direitos de pessoas com albinismo.

Para a chefe da missão da OIM em Moçambique, Katharina Schnoering, uma abordagem regional como esta "complementa ações nacionais em Moçambique, Malaui e Tanzânia e é a única forma de aprimorar a coordenação e investigação entre fronteiras para proteger pessoas com albinismo".

Schnoering lembrou que esta abordagem regional à investigação, pesquisa e cooperação foi recomendada em um relatório recente da especialista independente da ONU sobre os direitos dessa população, Ikponwosa Ero, que vistou Moçambique em 2016.

A OIM está a trabalhar em parcerias com governos para prestar assistência a vítimas de tráfico humano e também no fortalecimento das respostas nacionais a estes crimes nos três países africanos.

Notícias Relacionadas:

Perita sobre albinismo quer fim de “propaganda enganosa” em Moçambique

Assembleia Geral pode agir para reduzir violência a albinos, diz relatora

Unicef em parceria para fornecer água a mais de 10 mil pessoas em Moçambique

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 6 MIN, 27 DE JUNHO DE 2017
JORNAL DA ONU - 6 MIN, 27 DE JUNHO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

junho 2017
S T Q Q S S D
« mai    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930