Desafios diferenciados para lidar com doenças em países lusófonos

Ouvir /

Angola, Guiné-Bissau e Moçambique destacados pela  chefe do Programa Especial para a Eliminação  das Doenças Tropicais Negligenciadas; entidade desenvolve projeto quinquenal com a OMS desde o ano passado.

Eleutério Guevane, da ONU News em Nova Iorque.

O tamanho geográfico da Guiné-Bissau pode ajudar o país a eliminar várias doenças tropicais negligenciadas até 2020.

A declaração foi feita à ONU News pela chefe do Programa Especial para a Eliminação as chamadas DTNs.

Exigências

Em Genebra, Maria Polo Rebollo revelou em que sentido os níveis de exigência para lidar com as enfermidades em países africanos de língua portuguesa são diferenciados.

Segundo ela, a Guiné-Bissau está a ter muito melhor trabalho e como um país mais pequeno poderia conseguir a eliminação muito mais rápida do tipo de doenças.

A chefe da entidade, com a sigla Espen, falava após a Conferência sobre doenças tropicais negligenciadas que em abril juntou governos, cientistas e filantropos na cidade suíça. A situação angolana e o desafio de identificar as enfermidades esquecidas é um fator de atenção.

Tratamento em Angola

Maria Polo declarou que em Angola a cartografia da filaríase linfática (elefantíase) já começou mas ainda existem zonas do país onde se precisa mapear e compreender melhor a distribuição desta enfermidade. Em sua opinião, a nação lusófona deve acelerar o tratamento para começar eliminar estas enfermidades.

Na situação moçambicana, a situação da cegueira dos rios em zonas antes declaradas como livres das doenças merece maior apoio. Garantir o êxito da eliminação da doença é considarada uma tarefa urgente pela partilha de fronteiras com países como o Malaui onde a enfermidade está ativa.

Moçambique

A chefe do Espen contou que Moçambique segue uma trajetória "muito boa e importante" na luta contra a filaríase linfática ou elefantíase, e trata a população infantil contra a bilharziose e parasitas intestinais. A tarefa é manter a cobertura e assegurar que a monitoria e avaliação demonstrem que as metas são atingidas.

A entidade precisa de pelo menos US$ 10 milhões por ano para aplicar um projeto quinquenal iniciado em 2016 pelo Escritório da Organização Mundial da Saúde, OMS, em África.

Notícias relacionadas:

Programa para África quer acelerar combate às DTNs em 47 países

Conferência da OMS termina com progressos e doações recorde

Especialista diz que vigilância é importante para controle de doenças

Especialistas optimistas com avanços contra doenças tropicais em Angola

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 26 DE MAIO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 26 DE MAIO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

maio 2017
S T Q Q S S D
« abr    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031