Divulgadas recomendações para atletas combaterem o zika nas Olimpíadas

Ouvir /

Organização Mundial da Saúde pede a esportistas e visitantes que forem ao Rio de Janeiro para usar repelentes e roupas que cubram o corpo; praticar sexo seguro ou se abster é outra recomendação; vírus circula por 58 países.

Mosquitos em laboratório. Foto: FAO

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, reconhece que atletas que participam dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro estão buscando mais informações sobre o zika vírus.

Por isso a agência da ONU divulgou esta quinta-feira uma lista de orientações aos esportistas e a todos que irão ao Rio acompanhar as Olimpíadas e os Jogos Paralímpicos, entre 5 de agosto e 18 de setembro.

Picada

Para evitar a picada do mosquito que transmite zika, a OMS lembra a importância de usar repelente e se possível, utilizar roupas de cores claras que cubram o corpo.

Praticar sexo seguro é outra recomendação da agência, que sugere uso de preservativos ou abstenção durante a passagem pelo Brasil e por pelo menos quatro semanas após o retorno. Isso vale especialmente para as pessoas que tiverem sintomas de zika, como febre, dores nas articulações e vermelhidão na pele.

Transmissão

Escolher acomodações com ar condicionado e fechar janelas para prevenir a entrada de mosquitos são outras dicas. A OMS pede às pessoas para que evitem visitar áreas onde não há água filtrada ou saneamento adequado, porque os risco de mosquitos nesses locais é mais alto.

O Brasil é um dos 58 países e territórios onde a transmissão do vírus continua. Apesar dos mosquitos serem os principais vetores, a OMS garante que uma pessoa com zika pode transmitir a doença para outra se fizer sexo sem proteção.

Segundo a agência, muitas pessoas com zika nem chegam a desenvolver sintomas, mas existe consenso científico de que o vírus causa microcefalia em bebês nascidos de mulheres que tiveram a infecção durante a gravidez.

Segundo a OMS, existe consenso científico de que o vírus causa microcefalia em bebês nascidos de mulheres que tiveram zika durante a gravidez. Foto: Unicef/Ueslei Marcelino

Grávidas

Já os adultos podem desenvolver a síndrome de Guillain-Barré, uma desordem neurológica rara, porém grave, que pode causar paralisia e até morte.

Grávidas são aconselhadas a evitarem viajar para áreas onde o zika circula, "incluindo o Rio de Janeiro". Já os parceiros das grávidas que retornarem de locais com a presença do vírus precisam praticar sexo seguro ou se abster de relações durante toda a gravidez.

A OMS destaca, entretanto, que as Olimpíadas ocorrem durante o inverno no Brasil, época de menos mosquitos e por isso, o risco de picadas deverá ser menor.

A agência da ONU está fornecendo aconselhamento ao governo do Brasil, ao Comitê Olímpico Internacional, COI, e ao Comitê de Organização Rio 2016.

Leia e Ouça:

Unfpa apoia ações de prevenção do zika no Haiti

OMS “confiante” de que situação do zika no Brasil está sob controle

ONU cria fundo de resposta para combater zika

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 21 DE NOVEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 21 DE NOVEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930