"Combate ao zika necessita de melhores serviços de água e saneamento"

Ouvir /

Relator especial da ONU afirmou que essa é a melhor resposta contra o vírus; Léo Heller disse que "existe uma forte ligação entre sistemas de saneamento deficientes e o surto do mosquito Aedes Aegypt".

O relator da ONU declarou que "há uma forte ligação entre sistemas de saneamento deficientes e o surto do mosquito transmissor do zika vírus”. Foto: ONU/JC McIlwaine

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O relator especial da ONU sobre os direitos humanos para água potável e saneamento, Léo Heller, afirmou que a melhor resposta para combater o zika vírus é através de um aprimoramento dos serviços de água e saneamento.

O professor Heller disse que "enquanto o mundo busca soluções de alta tecnologia para combater o vírus, não se pode esquecer do péssimo estado do acesso à água e ao saneamento pela população mais pobre".

Mosquitos Estéreis

Segundo ele, esse é um fator determinante no direito à saúde. O relator explicou que os cientistas podem criar mosquitos estéreis ou utilizar aplicações sofisticadas na internet para mapear os dados globais sobre a doença.

Mas Heller afirmou que centenas de milhões de pessoas na América Latina ainda não têm acesso a sistemas de saneamento e 70 milhões não têm água encanada em suas casas.

O relator da ONU declarou que "há uma forte ligação entre sistemas de saneamento deficientes e o surto do mosquito transmissor do zika vírus e também da dengue, da febre amarela e chikungunya".

Heller disse que a região da América Latina alcançou os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio em relação à água em 2010, mas os avanços ainda não atingiram todos os países.

Microcefalia e Guillain-Barré

Quanto ao saneamento, o relator afirmou que a meta ainda não foi alcançada e "3 milhões de pessoas ainda fazem suas necessidades a céu aberto".

Heller diz que na América Latina, os mais pobres e marginalizados são os que mais sofrem com o zika vírus, que têm ligações com a microcefalia e a síndrome Guillain-Barré, como também de outras doenças transmitidas por mosquitos.

Ele deixou claro que "os governos da região devem acelerar a melhora dos sistemas de abastecimento de água e saneamento, em particular, das populações consideradas mais vulneráveis".

Heller afirmou que, com isso, será possível salvar vidas em face à crise de saúde global que está se desenrolando no mundo.

Leia Mais:

Entrevista: “desafios e oportunidades” no acesso à água e saneamento

Mais de 2,5 bilhões no mundo não têm acesso ao saneamento básico

Desastre em Mariana: relator da ONU exige acesso à água segura para consumo

Compartilhe

JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 26 DE MAIO DE 2016
JORNAL DA ONU - BRASIL (5 MIN), 26 DE MAIO DE 2016
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

maio 2016
S T Q Q S S D
« abr    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031