Zika: Cabo Verde revela que tenta controlar dezenas de casos suspeitos

Ouvir /

Autoridades lidam com pelo menos 83 supostos infetados; Ministra da Saúde disse que foram detetados os primeiros infetados em novembro; Cristina Fontes Lima afirma que não há consequências além de sintomas do vírus.

Ilustração da OMS/Opas sobre o vírus

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque. 

Cabo Verde é um dos 32 Estados que reportaram a transmissão de vírus zika à Organização Mundial da Saúde, OMS. O país está numa região onde está ativo o mosquito Aedes aegypti que propaga a infeção.

Falando em exclusivo à Rádio ONU, de Paris, a ministra cabo-verdiana da Saúde, Cristina Fontes Lima, disse haver pelo menos 83 casos suspeitos. Ela destacou o cenário desde novembro, quando foram detetados os primeiros infetados.

Ilhas Turísticas 

"Nós tivemos situações com sintomas de prurido, portanto comichões, e dores musculares. Numa amostragem de 60, 17 foram confirmados com o zika. Cabo Verde é um país que pauta pelo cumprimento dos regulamentos sanitários internacionais anunciou que tinha mas também está a anunciar que vem controlando a situação. A maioria das ilhas turísticas não teve casos de zika."

Na conversa desta quarta-feira, a representante sublinhou os esforços em curso para garantir um controlo mais ativo das infeções.

“Estamos a circunscrever o vetor  e a fazer o combate necessário para a sua proliferação, a fazer um apelo as populações para se defenderem com repelentes e a vestirem roupas que permitam evitar a picada. Portanto, estamos basicamente a controlar esse surto que tem uma tendência decrescente.”

Microcefalia

A previsão de Fontes Lima é que em quatro semanas “a situação esteja controlada”, na sequência da declaração da OMS que considerou a situação do zika e da microcefalia uma emergência de preocupação internacional.

“As últimas semanas têm levado a uma evolução favorável e da última semana anunciamos, porque estamos a publicar periodicamente as informações, temos apenas 83 casos suspeitos. Explico bem, porque não são confirmados laboratorialmente. A evolução leva-nos a dizer que em quatro semanas teremos um controlo total da situação.

Consequências

A ministra cabo-verdiana disse que após a revelação de casos de microcefalia no Brasil as mulheres grávidas serão monitorizadas no seu país. A representante disse que em Cabo Verde ainda não há consequências que não sejam os sintomas.

Quanto à transmissão, ela destacou dezenas de casos na Cidade da Praia e na Ilha do Fogo. Aos turistas, Fontes Lima apelou à ” tranquilidade” ao destacar a ausência de casos em ilhas mais visitadas onde a situação é controlada.

Leia Mais:

Zika já se espalhou por 30 países do mundo; Brasil tem um dos maiores surtos

OMS acompanha primeira epidemia de zika em Cabo Verde 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031