OMS lança plano de resposta para combater zika

Ouvir /

Agência da ONU afirma que serão necessários US$ 56 milhões para implementar estratégia global; objetivos são ajudar países a aumentar a vigilância e melhorar o controle sobre o mosquito Aedes egypt.

A OMS quer que os governos acelerem as pesquisas e o desenvolvimento de vacinas para combater o vírus. Foto: OMS/S. Hawkey

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, lançou uma estratégia de resposta e um plano de operações conjunto para combater o vírus zika.

O objetivo é orientar a resposta internacional contra a propagação do vírus e dos problemas neonatais e condições neurológicas, como a microcefalia e a síndrome Guillain-Barré, que causa paralisia.

US$ 56 milhões

A agência da ONU afirmou que vai precisar de US$ 56 milhões, o equivalente a mais de R$ 200 milhões, para implementar a estratégia. Desse total, US$ 25 milhões vão ser destinados aos escritórios da OMS e da Organização Pan-Americana de Saúde, Opas, nas regiões afetadas.

O restante vai financiar as operações de organizações parceiras. Até a liberação da verba, a OMS vai usar os recursos de um fundo de emergência criado recentemente para iniciar os trabalhos.

A agência disse que o foco da iniciativa é mobilizar e coordenar os parceiros na ajuda aos países para que eles possam aumentar a vigilância e melhorar o controle sobre o mosquito Aedes egypt.

Vacinas

A OMS quer também que os governos forneçam atendimento médico aos infectados com o vírus e acelerem as pesquisas e o desenvolvimento de vacinas, diagnósticos e medidas terapêuticas para combater a doença.

Numa reunião realizada no Conselho Econômico e Social na ONU, Ecosoc, a chefe do escritório da OMS em Nova York, Natela Menabde, afirmou que atualmente 34 países registraram casos de zika.

A maioria está nas Américas e no Caribe, sendo que sete nações registraram um aumento na incidência de microcefalia. Somente o Brasil detectou mais de 4,7 mil casos. Nos últimos anos, o país vinha registrando 163 ocorrências por ano.

O Ecosoc já se reuniu anteriormente para discutir emergências de saúde pública globais, como aconteceu em 2003, com a epidemia da síndrome respiratória severa aguda, depois com a gripe aviária, em 2005 e por último, devido ao surto de ebola, na África, em 2014.

Segundo o Conselho, as emergências de saúde causadas por epidemias têm sempre implicações sociais e econômicas.

Leia Mais:

OMS quer que países ampliem combate ao zika vírus

OMS: avançam pesquisas de duas vacinas candidatas contra o zika

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031