OMS divulga orientações para mulheres preocupadas com a microcefalia

Ouvir /

Grávidas precisam tomar cuidados extras para se proteger da picada do mosquito; uso de preservativos é indicado para pessoas que vivem ou visitam países afetados; OMS lembra que decisão de engravidar é pessoal.

Usar repelente é essencial. Foto: OMS

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O risco de bebês nascerem com microcefalia deixa muitas mulheres preocupadas, especialmente as grávidas ou as que planejam engravidar. Segundo a Organização Mundial da Saúde, OMS, muitas informações sobre a situação ainda são desconhecidas.

Mas até as respostas serem encontradas, existem várias maneiras das mulheres se protegerem da infecção pelo zika. A OMS divulgou nesta quarta-feira um informe com dicas importantes.

Desenvolvimento

Apesar dos sintomas de zika serem geralmente fracos, foi observada uma possível associação entre o aumento de casos de pessoas com o vírus e de bebês que nasceram com microcefalia no Brasil.

A microcefalia faz com que o tamanho da cabeça seja menor do que o normal e a OMS informa ser uma "condição rara", afetando apenas um entre milhares de recém-nascidos. Muitos bebês crescem com problemas de desenvolvimento.

A agência da ONU afirma que grávidas ou mulheres que planejam engravidar precisam tomar cuidados extras para evitar a picada do Aedes aegypti.

Relação Sexual

Usar repelentes, roupas que cubram a maior parte do corpo, instalar telas de proteção em portas e janelas e até mesmo dormir sob mosquiteiros estão entre as dicas. Outra ação importante é eliminar a água parada de vasilhas e outros focos de reprodução dos mosquitos.

A OMS confirma que o zika foi encontrado no sêmen e houve um caso de transmissão entre pessoas por meio de relação sexual. Porém, mais evidências são necessárias e por enquanto, todos os homens e mulheres que estão ou que retornam de países afetados pelo vírus devem utilizar preservativos.

Amamentação

Não está sendo recomendada nenhuma restrição de viagem às regiões onde o zika está presente. Mas grávidas ou as que planejam engravidar precisam determinar o nível de risco, se protegendo das picadas, pedindo orientação médica e avisando sobre se tem alguma viagem planejada durante a consulta pré-natal.

Grávidas infectadas pelo zika precisam procurar ajuda médica e a OMS ainda está produzindo mais recomendações para estes casos. É possível que o vírus possa ser transmitido para o feto ou na hora do nascimento, mas isso ainda não foi totalmente comprovado.

O zika também já foi encontrado no leite materno, mas não há nenhuma evidência de transmissão para os bebês durante a amamentação. A OMS lembra que continua valendo a recomendação de fornecer exclusivamente o leite materno durante os primeiros seis meses de vida.

Aborto

A agência da ONU destaca: decidir engravidar ou não é uma decisão pessoal que precisa ser respeitada. Mas a OMS defende que todas as mulheres tenham acesso a métodos anticoncepcionais, caso queiram evitar uma gestação.

Segundo a agência, a maioria das grávidas em regiões afetadas pelo zika vírus vai dar à luz a bebês saudáveis. Mulheres que desejam abortar pelo medo da microcefalia "devem ter acesso a serviços seguros, de acordo com a lei" de cada país.

Em nações onde o aborto é proibido, a Organização Mundial da Saúde pede que as mulheres tenham acesso a informações completas sobre o zika e aconselhamento sobre suas opções.

Leia Mais:

Unesco diz que rádio “é a salvação em momentos de emergência e desastre”

FAO está preparada para contribuir com a luta contra o zika vírus

OMS quer saber por que microcefalia está concentrada no Brasil

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031