Aiea vai ajudar na detecção precoce do zika vírus

Ouvir /

Agência Internacional de Energia Atômica vai disponibilizar equipamentos e apoio técnico para identificar rapidamente os casos da doença; a ajuda está avaliada em R$ 1,7 bilhão que sairá do fundo de emergência da organização.

A agência vai disponibilizar equipamentos para a detecção precoce da doença. Foto: Aiea

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Agência Internacional de Energia Atômica, Aiea, anunciou que vai ajudar os países da América Latina e do Caribe na luta contra o zika vírus.

A agência da ONU vai disponibilizar equipamentos para detecção precoce da doença e apoio técnico aos países da região.

Objetivo

Segundo o diretor-geral da Aiea, Yukyia Amano, o custo total da iniciativa deve chegar a US$ 450 mil, o equivalente a R$ 1,7 bilhão. O objetivo é fortalecer a capacidade da região para agir contra o zika.

O surto já se espalhou por 26 países e territórios das Américas. Além disso, há indicações de uma conexão entre a infecção durante a gravidez e a microcefalia em recém-nascidos.

Amano afirmou que "a agência tenta responder rapidamente a crises dessa natureza". Ele explicou que "ajudar os países com tecnologia nuclear para fortalecer as capacidades de saúde é crucial no trabalho da organização no mundo".

Identificar

Parte do apoio da Aiea envolve o fornecimento de tecnologia para identificar e detectar o vírus, num processo parecido com o que foi feito durante o surto de ebola na África, em 2014.

A agência vai fornecer ainda treinamento para que os especialistas locais possam usar os equipamentos para não só identificar o zika vírus mas também para diferenciá-lo de outras doenças como a dengue e o chikungunya, transmitidos pelo mesmo mosquito, Aedes Aegypt.

Uma divisão conjunta entre a Aiea e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, lidera os esforços para detectar o zika vírus num prazo de três horas depois do exame ter sido feito.

Para completar, a agência da ONU vai realizar uma reunião com especialistas de saúde em Brasília, entre 22 e 23 de fevereiro para discutir a técnica para esterilizar insetos.

Os resultados desse encontro vão ser discutidos logo depois, entre 24 e 26 deste mês, também na capital brasileira, com representantes dos governos de toda a região. Eles vão definir os pontos básicos de coordenação para combater o surto.

Leia Mais:

OMS divulga orientações para mulheres preocupadas com a microcefalia

FAO está preparada para contribuir com a luta contra o zika vírus

OMS quer saber por que microcefalia está concentrada no Brasil

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031