200 milhões de mulheres foram submetidas à mutilação genital no mundo

Ouvir /

Dados estão em pesquisa publicada nesta sexta-feira pelo Unicef; em grande parte dos países, a maioria foi submetida à prática antes dos cinco anos; este sábado, 6 de fevereiro, é o Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina.

Ilustração: ONU

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova York.*

Pelo menos 200 milhões de mulheres e meninas atualmente foram submetidas à mutilação genital em 30 países. Em grande parte deles, a maioria das meninas passou pela prática antes de completar os cinco anos de idade.

Os dados estão em um relatório publicado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, nesta sexta-feira, véspera do Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina.

Direitos Humanos

O documento "Mutilação Genital Feminina: Uma Preocupação Global" menciona que metade das meninas e mulheres submetidas à prática vive em três países – Egito, Etiópia e Indonésia.

Desde 2008, mais de 15 mil comunidades e subdistritos de 20 países declararam publicamente o fim desse tipo de procedimento. Internacionalmente, a prática é reconhecida como uma violação dos direitos humanos.

O relatório do Unicef mostra ainda que as meninas adolescentes menores de 14 anos representam quase 25% do total. Os países com os índices mais altos de mutilação genital nesta faixa etária são Gâmbia, Mauritânia e Indonésia. Já entre as jovens e mulheres de 15 a 49 anos, as maiores taxas foram registradas na Somália, Guiné e Dijibouti.

A Guiné-Bissau, país de língua portuguesa na África, tem 45% de mulheres e meninas com idades entre 15 e 49 anos que passaram pela prática entre 2004 e 2015.

Homens

O estudo revela que há uma ampla desaprovação da mutilação genital, incluindo dois terços de rapazes e homens.

Mas, segundo a agência, se as tendências atuais continuarem, o número de meninas e mulheres submetidas ao procedimento deverá aumentar de forma significativa nos próximos 15 anos.

Para o Unicef, com a inclusão de uma meta sobre a eliminação da mutilação genital feminina até 2030 nos novos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, o compromisso da comunidade internacional para acabar com a prática está "mais forte do que nunca".

A agência defende o fim da prática em todo o mundo, assim como o Fundo da ONU para População, Unfpa.

*Apresentação: Laura Gelbert.

Leia Mais:

Unfpa lança prêmio para reportagens sobre mutilação genital feminina

Trabalhadores de saúde são essenciais para fim da mutilação genital

Desconhecimento de direitos humanos leva a abusos na Guiné-Bissau  

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031