Conselho de Segurança acompanha relatos de “situação sombria” no Burundi

Ouvir /

Embaixadores revelaram detalhes da visita para averiguar política e segurança; representantes abordaram envio de 100 observadores militares e de direitos humanos da União Africana.

Delegação do Conselho de Segurança em viagem a Bujumbura, capital do Burundi. Foto: Unic Bujumbura

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Conselho de Segurança discutiu esta sexta-feira o informe de representantes do órgão que há uma semana visitaram o Burundi. A busca de uma solução para a tensão política e a violência foi discutida com as várias partes do país.

O embaixador da França junto à ONU disse ao Conselho que os encontros incluíram membros da “oposição radical sem representação nas instituições” locais.

Imagem Sombria

O diplomata revelou que estes passaram o que considera de “uma imagem particularmente sombria da situação política e de segurança”.

François Delattre destacou que há uma “visão de que um genocídio estaria na forja e pode explodir no Burundi”.

Os encontros do órgão na capital burundesa envolveram o presidente, a oposição, os antigos chefes de Estado além de defensores dos direitos humanos, da sociedade civil e da imprensa independente.

A delegação que esteve Bujumbura incluiu os embaixadores que nas Nações Unidas representam Angola e Estados Unidos, além do vice-embaixador da França.

União Africana

Após a segunda visita do Conselho ao país num ano, o grupo seguiu para a sede da União Africana. A crise burundesa foi abordada em Adis Abeba com o Conselho de Paz e Segurança da organização.

Desde abril, o Burundi regista episódios de violência após a decisão do presidente Pierre Nkurunziza de concorrer ao segundo mandato. A ONU estima que centenas de pessoas morreram e cita relatos de violação de direitos humanos.

O embaixador do Egito junto à ONU organizou a digressão africana do Conselho. Amr Abdellatif Aboulatta disse que os dois órgãos frisaram a necessidade de um diálogo nacional inclusivo para a solução política da crise do Burundi.

Restaurar a Segurança

O diplomata revelou que as conversações de Adis Abeba destacaram que é preciso apoiar o processo  para restaurar a segurança e dar proteção adequada aos civis burundeses.

A previsão de envio de 100 observadores militares e de direitos humanos da União Africana também foi discutida. Como referiu, esse envio permitiria monitorizar melhor a situação e seria um “ponto de entrada construtivo para o debate com o Governo do Burundi”.

Os órgãos manifestaram o seu apoio aos esforços regionais de mediação liderados pelo Uganda, mas revelaram “preocupação com o progresso lento das negociações”.

Leia Mais:

Burundi ainda não respondeu pedido de entrada de peritos de direitos humanos

Ban participa na cimeira da União Africana no fim de semana

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031