ONU lança relatório sobre direitos humanos na República Centro-Africana

Ouvir /

Missão da ONU do país, Minusca, apresenta a situação nacional e principais desafios; relatório menciona persistentes violações de direitos humanos e do direito internacional humanitário entre setembro de 2014 e maio de 2015.

Soldados da paz na República Centro-Africana. Foto: Minusca

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

Um relatório da Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana, Minusca, apresenta a situação de direitos humanos no país e os principais desafios.

O documento, lançado esta sexta-feira, é baseado em investigações conduzidas pela divisão de Direitos Humanos da operação de paz com o Escritório do alto comissário da ONU para a área.

Violações

Segundo o documento, a segurança e a situação de direitos humanos na República Centro-Africana de forma geral melhorou desde a implementação da Minusca.

Entretanto, embora a escala e gravidade do conflito tenha diminuído, graves violações de direitos humanos e do direito internacional humanitário continuam a ser cometidas em todo o país por grupos armados não estatais, incluindo as milícias anti-Balaka e ex-Séléka.

A Minusca menciona, em escala menor, violações cometidas por atores estatais no documento com dados do período entre 15 de setembro de 2014 e 31 de maio de 2015.

Civis

Durante o período, foram registados 775 casos de violações destes direitos, a afetar pelo menos 785 vítimas. Estas incluem 88 mulheres, 18 meninos e 25 raparigas.

Os civis são as principais vítimas de violações de direitos humanos e abusos cometidos por grupos armados que incluem mortes, sequestros, tortura, violência de género e sexual ou restrições de movimento.

Deslocados Internos

Deslocados internos são os mais afetados pelos atos de violência, particularmente as mulheres idosas e raparigas.

Segundo o documento, um número considerável de desalojados continua preso em diversos enclaves no país e exposto à difícil situação humanitária. Tanto o governo como os grupos armados prejudicaram a liberdade de movimento destas pessoas.

Transição

A presença limitada das instituições do Estado, particularmente fora da capital Bangui, continua a prejudicar a proteção dos civis.

O documento menciona o "progresso lento" na reconstituição das forças legítimas de segurança, a sua presença e capacidade limitada ao longo do país e o controlo de certas áreas centro-africanas por grupos armados.

O relatório cita que o período foi marcado por "esforços louváveis" feitos pelo governo de transição, com o apoio da comunidade internacional, para implementar o acordo de paz de Brazzaville.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia Mais:

Minusca faz apelo por campanha pacífica na República Centro-Africana

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031