Financiamentos para água e saneamento reúnem África Ocidental e Central

Ouvir /

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde destacam-se nas taxas regionais de cobertura de água potável;  uma em cada quatro pessoas da área não tem saneamento adequado; Unicef quer ritmo acelerado nos progressos nesses setores.

Foto: Banco Mundial

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A capital senegalesa Dacar reúne governos da África Ocidental e Central, empresários e ONGs num encontro que procura mais recursos para aumentar o acesso à água potável.

Até quinta-feira, a reunião intitulada  Financiamento Inovador para a Água, Saneamento e Higiene na África Ocidental e Central pretende identificar oportunidades para programas dos setores a curto e médio prazos.

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde

O Relatório Conjunto do Programa de Monitorização 2015 revela que as maiores taxas regionais  de cobertura de água potável são de São Tomé e Príncipe com 97%, do Gabão com 93% e de Cabo Verde com 92%.

O estudo da iniciativa que envolve a Organização Mundial da Saúde, OMS, e o Fundo da ONU para a Infância, Unicef, revela que mais de sete em cada 10 pessoas têm acesso ao saneamento em Cabo Verde.

Em toda a região, um quarto dos habitantes não tem saneamento adequado e os índices nacionais chegam a rondar 12% em casos como do Níger, do Togo e do Chade.

Políticas Fortes

O Unicef estima que 180 mil crianças menores de cinco anos morrem anualmente na África Subsaariana devido às doenças diarreicas associadas à água, à higiene e ao saneamento inadequados. O número equivale a 500 menores por dia.

O diretor regional da agência disse que o ritmo dos progressos deve acelerar de uma forma exponencial com a aplicação de políticas fortes, de financiamento robusto e de uma mudança de prioridades “pelos que têm o poder para agir”.

A região subsaariana acolhe ainda cerca de metade da população mundial que não tem acesso à água potável, além de aproximadamente 700 milhões de pessoas sem acesso ao saneamento melhorado.

A África Ocidental e Central é das áreas com uma parte significativa desse fardo e das perdas económicas globais devido à insuficiência de água, saneamento e higiene que rondam  US$ 260 mil milhões anuais.

Leia Mais:

Necessários cerca de US$ 2 mil milhões para auxílio de emergência ao Sahel

Relatório traz soluções para a pobreza rural nos países menos desenvolvidos

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031