Conselho de Segurança aprova resolução que busca o fim da guerra na Síria

Ouvir /

Documento aprovado por unanimidade determina que a ONU realize em janeiro negociações formais entre governo e oposição sobre transição política; participantes terão seis meses para formar novo governo e eleições devem acontecer sob supervisão das Nações Unidas num prazo de 18 meses.

Conselho de Segurança aprova resolução sobre a Síria. Foto: ONU/Eskinder Debebe

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Conselho de Segurança aprovou esta sexta-feira resolução que busca pôr um fim à guerra na Síria. O documento foi aprovado por unanimidade pelos 15 países-membros do órgão.

Em pronunciamento no Conselho, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu que governo e oposição na Síria mostrem "visão e liderança" para superar as diferenças.

Transição Política

O chefe da ONU afirmou que "surgiu uma oportunidade para a paz e todos têm o dever de aproveitá-la".

A resolução determina que a ONU inicie em janeiro negociações formais entre o governo e a oposição sobre o processo de transição política. O documento estabelece um prazo de seis meses para a formação de um governo inclusivo e não sectário.

Além disso, deve preparar uma agenda e o processo para uma nova constituição, como também para a realização de eleições num prazo de 18 meses.

Mensagem

Os Estados Unidos ocupam a presidência rotativa do Conselho de Segurança pelo mês de dezembro. O secretário de Estado americano, John Kerry, disse que a resolução envia uma mensagem clara a todos os envolvidos na crise.

Kerry afirmou que "agora é a hora de parar com os assassinatos na Síria e criar a base para um governo que o povo sofrido possa apoiar".

O secretário de Estado americano declarou que depois de quatro anos e meio de guerra, "pela primeira vez a comunidade internacional teve condições de se reunir no Conselho de Segurança da ONU para apoiar um caminho à frente".

Kerry disse ainda que durante esse período, um em cada 20 sírios foi assassinado ou ferido; um em cada cinco está refugiado e um em cada dois está deslocado internamente no país por causa da violência.

Assistência Humanitária

A resolução quer também acabar com o uso indiscriminado de armas contra a população civil, incluindo as chamadas bombas-barril.

Governo e oposição devem permitir acesso incondicional aos comboios de assistência humanitária. Eles devem suspender todos os ataques contra escolas e hospitais e acabar com as restrições impostas a suprimentos médicos e cirúrgicos nos carregamentos humanitários.

Outro ponto importante do documento diz que os dois lados devem garantir a participação plena de mulheres nas negociações.

A resolução pede que os Estados-membros ajudem a combater grupos terroristas como o Daesh, denominação em árabe para o grupo Estado Islâmico do Iraque e do Levante, Isil, a Al-Nusra, a Al Qaeda e outros grupos extremistas.

Segundo o documento, eles devem trabalhar em conjunto para erradicar as regiões consideradas "seguras" que esses grupos estabeleceram por grandes áreas do território sírio.

A resolução deixa claro também que o cessar-fogo mencionado não será aplicado em relação às ações militares ofensivas ou defensivas contra os terroristas.

Leia Mais:

Ban pede “visão e liderança” para superar diferenças na Síria

Conselho de Segurança aprova sanções contra o Isil

ONU alerta que Isil usou internet para recrutar mais de 30 mil combatentes

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031