Cepal prevê que economia da América Latina cresça apenas 0,2% em 2016

Ouvir /

Comissão Econômica da ONU atualiza projeção de crescimento; queda nos preços de matérias-primas e diminuição dos investimentos são alguns fatores após lenta expansão regional; Brasil terá retrocesso de 2%.

Sede da Cepal no Chile. Foto: Cepal

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

De acordo com previsão da Comissão Econômica da ONU para América Latina e Caribe, Cepal, a economia da região deve crescer somente 0,2% em 2016, devido a um "complexo cenário externo".

Em relatório anual divulgado esta quinta-feira, a Cepal atualiza estimativas e destaca a importância de dinamizar o crescimento econômico com maior investimento e aumento da produtividade.

Matérias-Primas

Em 2016, América Latina e Caribe devem enfrentar vários riscos: incertezas sobre a economia da China, um dos principais sócios comerciais da região, e lentidão do crescimento global.

Os preços das matérias-primas que a região exporta deverão continuar baixos e a Cepal acredita que América Latina e Caribe poderão mostrar "deterioração em termos de troca, especialmente em países exportadores de petróleo e de minérios".

Brasil

A sede da Cepal fica em Santiago do Chile, de onde o vice-secretário-executivo da comissão concedeu entrevista à Rádio ONU. Antônio Prado falou sobre a expectiva de retrocesso do Brasil.

"Nossa primeira estimativa para o Brasil em 2016 é de uma queda do PIB de 2%. Não é uma boa notícia. O Brasil tem uma situação particular porque tem tanto fatores econômicos internos e externos como também fatores políticos. Com essa queda de preços no mercado internacional, o Brasil também é afetado. Hoje o país vive um momento de incerteza política muito grande e isso afeta as decisões econômicas."

Segundo a Cepal, o crescimento na Venezuela deve ser 7% menor. No próximo ano devem continuar a volatilidade e a incerteza observadas em 2015. Alguns países emergentes seguirão com dificuldades para obter recursos nos mercados internacionais.

Outros fatores de impacto são a valorização do dólar e o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos. O país que deve liderar o crescimento na América Latina e Caribe em 2016  será o Panamá, com expansão prevista de 6,2%, seguido da República Dominicana.

A Cepal indica ser indispensável avançar em direção a regras fiscais que priorizem os gastos de capital. Outra recomendação aos países é para que mantenham o gasto nacional e reativem a demanda agregada.

Leia Mais:

Cepal alerta para elevado número de feminicídio na América Latina e Caribe

OIT: desemprego no Brasil deve ficar em 7,5% ao ano até 2019

Taxa de acidentes de trânsito na América Latina sobe 20%

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031