Saúde dos refugiados preocupa ministros europeus e OMS

Ouvir /

Dos 700 mil migrantes e refugiados que entraram na Europa este ano, 5% precisavam de assistência médica devido a queimaduras, hipotermia, gravidez e hipertensão; reunião em Roma debate desafios aos sistemas de saúde.

5% dos refugiados chegam à Europa com ferimentos, hipotermia, queimaduras, problemas no coração, diabetes ou hipertensão. Foto: Acnur/Imre Szabó

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, promove em Roma uma reunião com ministros da Saúde da Europa, para debater a situação dos refugiados que entram no continente e como melhorar o atendimento médico para essas pessoas.

Segundo a OMS, mais de 700 mil refugiados e migrantes entraram na Europa este ano, além de quase 2 milhões que encontraram abrigo na Turquia. Cerca de 5% dessas pessoas chegaram com ferimentos, hipotermia, queimaduras, problemas no coração, diabetes ou hipertensão. Muitas mulheres atravessam o Mediterrâneo grávidas.

Pressão

A agência da ONU explica que fatores como movimentação em massa da população, falta de água, de saneamento e de abrigos adequados aumentam os riscos de doenças transmissíveis.

A diretora da OMS na Europa afirma que os hospitais e centros de saúde da região estão bem equipados para diagnosticar e tratar infecções e outras doenças. Mas Zsuzsanna Jakab disse que é preciso garantir que todos os países estejam preparados de forma adequada para aguentar a pressão que surge com a afluência de pessoas e ao mesmo tempo, proteger a saúde da população local.

Respeito

A OMS explica que os sistemas de saúde que atendem os refugiados precisam ter planejamento e treinamento adequados, dados robustos sobre epidemiologia e migração e principalmente, respeito aos princípios da igualdade, solidariedade e direitos humanos.

Devido ao aumento do risco de doenças transmissíveis, a vacinação é um dos principais temas discutidos na conferência. Além da OMS, outras agências da ONU, como Unicef e Acnur, fornecem recomendações aos países sobre vacinação para refugiados, requerentes de asilo e migrantes, que devem ser imunizados sem demora.

Barreiras

Uma das preocupações é com o recente surto de sarampo no Oriente Médio, por isso a OMS sugere à Europa para dar prioridade às vacinas contra sarampo, caxumba, rubéola e pólio.

Os refugiados que conseguem chegar ao continente europeu enfrentam acesso limitado aos serviços de saúde devido ao alto custo, falta de informações, barreira cultural e dificuldades com o idioma.

A reunião em Roma dura dois dias e os ministros da Saúde também avaliam como a OMS e parceiros podem dar mais apoio à crise. Para a agência da ONU, é urgente criar um plano de ação conjunta sobre a saúde dos refugiados e dos migrantes.

Leia Mais:

“Tragédias estão se multiplicando especialmente para os sírios”

ONU e parceiros criticam restrições contra refugiados nos Bálcãs

Conselho de Segurança fala em mais um ato “ato covarde” do Isil

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031