Novo ciclone deve atingir o Iémen no domingo

Ouvir /

Agências humanitárias da ONU estão a monitorar de perto a situação; aviões com toneladas de comida e outros itens chegaram ao país, para aliviar a situação dos desalojados pelo ciclone Chapala.

Distribuição da ajuda na província de Shabwah, Iémen. Foto: Acnur

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Iémen ainda se está a recuperar dos estragos do ciclone Chapala, que atingiu o país em meados da semana. Mas segundo as Nações Unidas, um outro ciclone, chamado Megh, deve atingir o Iémen neste domingo.

A tempestade está a ser monitorada de perto pelas agências humanitárias da ONU, que já estão a responder aos impactos causados pelo ciclone Chapala, que atingiu o país em meados desta semana.

Danos

O Chapala fez oito mortos, a incluir duas crianças, e mais de 30 pessoas ficaram feridas nas áreas afetadas. Segundo o Escritório da ONU para Coordenação de Assuntos Humanitários, Ocha, a tempestade causou cheias e danificou propriedades e plantações no sudeste do Iémen.

A ilha de Socotra e as províncias de Shabwah e Hadramaut foram as regiões mais afectadas. Na ilha, 18 mil pessoas precisaram de ser retiradas das suas casas e estão abrigadas com outras famílias ou em prédios públicos.

Comida

O Ocha fala em quase 240 casas destruídas em Socotra. Sete aviões de Oman e dois dos Emirados Árabes Unidos aterraram na ilha, com 75 toneladas de comida e de outros itens de ajuda.

Imagens de satélite da zona costeira do Iémen mostram 35 km de rodovias afetadas por deslizamentos de terra, entulho e água, isso na província de Hadramaut.

Camiões a carregar itens de ajuda têm dificuldades para acessar a região pelas rodovias e vias alternativas estão a ser acessadas. O Ocha lembra que a resposta ao ciclone Chapala é prejudicada pela falta de segurança, em especial devido à presença da Al Qaeda e ao conflito que o Iémen atravessa desde março.

Refugiados

As organizações humanitárias coordenam a entrega de água, itens para a casa e para abrigo, que devem ser entregues pelas vias marítimas, aéreas e terrestres. São 900 funcionários da ONU no país a coordenar a resposta.

Segundo o Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, quase 2 mil famílias ficaram desalojadas pelo ciclone Chapala. Nas províncias mais afetadas, 76% da população já precisava de assistência humanitária.

O Acnur está em contacto com equipas da Somalilândia e de Puntlândia, para evitar que refugiados e migrantes entrem em barcos em direção ao Iémen. A preocupação é com a perigosa condição do mar, um outro resultado do ciclone.

A agência também está a preparar medidas de resposta em antecipação ao novo ciclone que deve passar pelo Iémen neste domingo. O país já tem mais de 21 milhões de pessoas em necessidade de assistência humanitária.

A maioria precisa de comida, água potável e cuidados de saúde. Desde março, 2,3 milhões de civis ficaram desalojados devido ao conflito.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia Mais:

Vacina contra a pólio entra para lista de imunização de rotina do Iémen

Ciclone Chapala causou três mortos e cerca de 40 mil deslocados no Iémen

OMS prepara-se para lidar com impacto de ciclone que se aproxima do Iémen

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031