Nações Unidas apoiam Marcha das Mulheres Negras no Brasil

Ouvir /

Diretora da ONU Mulheres faz primeira visita oficial ao país; durante dois dias, Phumzile Mlambo-Ngcuka participa de eventos contra o racismo e contra a violência de gênero.

Phumzile Mlambo-Ngcuka estará no Brasil. Foto: ONU/Devra Berkowitz

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.* 

A diretora-executiva da ONU Mulheres faz sua primeira visita oficial ao Brasil esta semana. Phumzile Mlambo-Ngcuka estará no país durante dois dias, participando de eventos de combate ao racismo e à violência contra as mulheres.

Na quarta-feira, a chefe da ONU Mulheres acompanhará a Marcha das Mulheres Negras 2015 em Brasília.

Caminhada contra o Racismo

Em entrevista à Rádio, da capital brasilieira, a representante da agência no Brasil, Nadine Gasman, falou sobre a participação da ONU Mulheres no evento.

“Esta é uma marcha muito importante, é uma marcha contra o racismo e a violência e o bem-viver. É uma marcha realizada por lideranças do movimento de mulheres negras brasileiras. Sem dúvida, o protagonismo é das mulheres negras brasileiras, e a ONU Mulheres tem apoiado a liderança das organizações porque o tema é o tema central do mandato da ONU Mulheres e do trabalho da ONU Mulheres no Brasil, é a igualdade de gênero e raça".

A caminhada "contra o racismo e à favor do bem viver passará pelo Museu da República, Eixo Monumental e Congresso Nacional.

Década Internacional

Phumzile Mlambo-Ngcuka já foi vice-presidente da África do Sul, onde participou da luta contra o apartheid e segundo a ONU Mulheres, foi uma das principais articuladoras da Década Internacional de Afrodescendentes, em vigor até 2024.

"É muito significativo que tenha escolhido, aceitando o convite das organizações de mulheres negras pra vir na primeira visita oficial ao Brasil. Falar da importância que tem para a ONU Mulheres a sociedade civil que tem pra ela, em especial, essa luta contra o racismo, a sensibilidade da organização, e dela, com a luta das mulheres pelo bem viver".

Além de marchar, a diretora da ONU Mulheres vai conversar com mulheres negras, organizadoras da manifestação e com líderes do movimento feminista. Na quarta-feira, também está previsto um encontro de Mlambo-Ngcuka com a presidente Dilma Rousseff e a ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Nilma Gomes.

Campanha Global

O Brasil vai presidir a próxima sessão da Comissão da ONU sobre o Estatuto da Mulher em março de 2016, em Nova York, e esse será um dos temas da conversa com a presidente Dilma.

Na noite do dia 18, vários prédios públicos em Brasília serão iluminados de laranja, como parte de uma campanha global pelo fim da violência contra as mulheres.

Segundo a agência da ONU, o laranja evoca a solidariedade com meninas e mulheres vítimas da violência e a cor traz a "energia necessária para que superem a situação".

No segundo dia da visita ao Brasil, a diretora da ONU Mulheres visitará a Casa da Mulher Brasileira, que já atendeu mais de 1,3 mil mulheres vítimas da violência desde que foi inaugurada, em junho.

*Apresentação: Laura Gelbert.

Leia Mais:

ONU diz que mortalidade materna caiu 44% desde 1990

Mulheres estão a liderar a recuperação do Mali

60% das mulheres vítimas de violência não buscam ajuda

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 12 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 12 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031