Combate ao terrorismo é foco do comitê para eliminação do racismo

Ouvir /

Sessão foi iniciada esta segunda-feira em Genebra, com alto-comissário para os Direitos Humanos falando sobre "ansiedade" ao redor do mundo; Zeid Al Hussein afirma necessidade de manter pensamento racional e otimismo.

Alto comissário para os Direitos Humanos, Zeid Al Hussein. Foto: ONU/Jean-Marc Ferré

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Começou esta segunda-feira, em Genebra, a 88ª sessão da Comissão para a Eliminação da Discriminação Racial. O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos discursou na abertura do encontro, que segue até 11 de dezembro.

Zeid Al Hussein disse que a ansiedade no mundo está profunda devido ao acúmulo de crises e que "o nacionalismo étnico está sendo revisto de maneiras perigosas".

Bode Expiatório

Muitos governos "cortam custos e alimentam ressentimentos contra grupos raciais e étnicos", na avaliação do alto comissário. Com crises econômicas, "vários segmentos da sociedade servem de bode expiatório", por isso Zeid avalia o trabalho do comitê como essencial para lidar com esse fenômeno.

O alto comissário para os Direitos Humanos lembrou aos países que muitos problemas podem ser resolvidos por meio da educação e da mudança nas culturas das pessoas.

Otimismo

Para Zeid, as recomendações da Comissão para a Eliminação da Discriminação Racial são essenciais. Ele citou os recentes "terríveis ataques terroristas e a turbulência" do mundo como motivos para manter o otimismo e o pensamento racional.

Para o alto comissário, o "sistema está quebrado e precisa ser redefinido" e isso não será alcançado sem o esforço da comunidade internacional. Já o presidente do comitê lamentou os ataques no Mali, na Nigéria e na França e a situação no Iraque, na Síria e no Líbano.

José Francisco Cali Tzay alertou sobre as consequências que podem surgir caso nada seja feito contra o Isil e garantiu que a Comissão fará todo o possível para denunciar ataques.

Na abertura da sessão, foi dedicado um minuto de silêncio às vítimas dos ataques recentes. Foi destacada a necessidade de se respeitar os direitos humanos durante a luta contra o terrorismo, porque "as minorias são a maior parte das vítimas desses eventos trágicos" e além de sofrer em seus países de origem, essas pessoas sofrem quando tentam ir para lugares mais seguros.

Leia Mais:

“Venezuela deve respeitar direitos de opositores”

Crise no Burundi leva Conselho de Segurança a reunir-se de emergência 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031