Especialista da ONU lança apelo urgente contra ataques a albinos em África

Ouvir /

Representante alertou para um aparente aumento na demanda de partes dos corpos das pessoas com albinismo em diversos países do continente, no período que antecede eleições.

Apelo visa combater os ataques frequentes contra albinos. Foto: ONU/Marie Frechon

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A especialista em direitos humanos das Nações Unidas lançou esta quinta-feira um apelo urgente por ação coordenada na África Austral e Oriental para combater o aumento nos ataques a albinos.

Ikponwosa Ero alertou que há "um aparente aumento na demanda por partes dos corpos de pessoas com albinismo, que foi relatado no período que antecede eleições em diversos países africanos".

Partes do Corpo

A primeira relatora independente da ONU sobre os direitos humanos das pessoas com albinismo afirmou que estas estão "entre as mais vulneráveis da região".

Ero destacou ainda o "estigma e a descriminação" contra estes indivíduos e "séculos de negligência crónica à sua situação".

Segundo a perita, a "aflição" destas pessoas foi atualmente "agravada pelo medo constante de ataques por elementos, incluindo familiares, que valorizam as partes do seu corpo mais que sua vida". 

Medidas Urgentes

A representante afirmou estar  "profundamente preocupada com o padrão altamente perturbador de aumentos nos ataques quando ocorrem eleições na região".

Ero pediu aos governos afetados que "tomem medidas específicas em caráter de urgência", principalmente através de colaboração regional e internacional para pôr um fim a estes "crimes abomináveis". 

Violações de Direitos Humanos

Ela também instou "todos os atores políticos a garantir que os seus candidatos e apoiantes não estão associados direta ou indiretamente em tão graves violações dos direitos humanos".

Desde que a especialista independente tomou posse em 1º de agosto foram relatados ataques em 6 países da região.

Condenação

Estes incluem o caso de um queniano com albinismo de 56 anos que foi atacado e teve as partes do corpo decepadas. Mais tarde, ele não resistiu aos ferimentos.

Um mês antes, os restos do corpo desmembrado de uma mulher com albinismo de 20 anos foram encontrados numa cova rasa próxima da sua vila em Phelandaba, na África do Sul. A maioria das partes do seu corpo e da sua pele estavam em falta.

A especialista saudou a rápida reação das autoridades sul-africanas, que levaram à condenação de dois dos autores envolvidos a 20 anos.

Leia Mais:

Unicef apoia projecto “Ser diferente é Normal” em Moçambique | Rádio das Nações Unidas

Primeiro Dia Mundial de Conscientização do Albinismo celebrado neste sábado | Rádio das Nações Unidas

Nações Unidas lançam site sobre direitos dos albinos | Rádio das Nações Unidas

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 18 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 18 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031