Portugal quer reconhecimento do português como língua oficial da ONU

Ouvir /

Presidente Cavaco Silva disse que idioma é veículo de comunicação global e economicamente relevante; líder revelou confiança à Guiné-Bissau e pediu  continuação de apoio ao país; conflitos em países como Síria, Iraque e Líbia citados para destacar necessidade de reformas na organização.

Aníbal Cavaco Silva em discurso na 70ª Assembleia Geral. Foto: ONU/Amanda Voisard

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O presidente de Portugal, Aníbal Cavaco Silva, defendeu esta segunda-feira na Assembleia-Geral que o português deve ser adotado como língua oficial nas Nações Unidas.

“É um veículo de comunicação global e economicamente relevante, na qual se exprimem cerca de 250 milhões de pessoas da Ásia à Europa, da África à América na sua vida quotidiana. É também língua oficial e de trabalho em diversas organizações internacionais, nomeadamente em algumas das agências especializadas das Nações Unidas. A legítima ambição da Cplp é ver a língua portuguesa como língua oficial das Nações Unidas.”

Ao falar aos líderes globais que participam na 70ª sessão da Assembleia, Cavaco Silva citou uma vez mais a dimensão do português ao mencionar a celebração, em 2015, dos 40 anos das independências de países africanos onde a língua é oficial.

“Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Angola. Portugal e o povo português associam-se a esta importante efeméride histórica. A situação na Guiné-Bissau merece uma referência particular.”

Guiné-Bissau

Quanto ao cenário guineense, Cavaco Silva destacou que os políticos do país devem “reconhecer o valor essencial da estabilidade e do trabalho conjunto para realização das reformas necessárias.”

As áreas citadas durante o pronunciamento incluem o setor da segurança, o combate a impunidade e os projetos de desenvolvimento socioeconómico. O líder apelou à confiança no futuro dos guineenses.

“A maturidade democrática que o povo da Guiné-Bissau vem demonstrando é a razão suficiente para que a comunidade internacional continue unida e coordenada para apoiar aquele país.”

Cavaco Silva disse que com tal cenário, a comunidade internacional seria capaz de cumprir os compromissos de cooperação realizados na Conferência de Bruxelas em março.

Crise Humanitária

Sobre a reforma doa sistema das Nações Unidas, Cavaco Silva falou da necessidade de uma revisão das duas categorias dos membros do Conselho de Segurança, bem como dos métodos de trabalho do órgão.

O líder português citou os conflitos na Síria, no Iraque e na Líbia como “exemplos trágicos” da situação humanitária, que exigem ação para que o Conselho possa atuar de “forma solidária e responsável”.

Sobre o fluxo de migrantes, o presidente de Portugal disse que o seu país tem demonstrado solidariedade como quando se colocou disponível para receber milhares de pessoas sem proteção internacional.

*Apresentação: Denise Costa.

Leia Mais:

Agenda 2030 é “ponto de viragem”, afirma Portugal

Clip: Rui Machete

Discurso: Rui Machete, Portugal 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 18 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 18 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031