ONU quer formação de governo de unidade no Sudão do Sul

Ouvir /

Secretário-geral considerou  caótica a situação do país, em evento de líderes globais realizado à margem da Assembleia Geral; Ban Ki-monn disse que “crimes mais horrendos contra civis” marcaram o conflito de dois anos.

Refugiados sul-sudaneses na fronteira com a Etiópia. Foto: Acnur/R. Riek

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O secretário-geral das Nações Unidas sublinhou esta terça-feira a necessidade de se formar um “governo transicional de unidade” no Sudão do Sul.

Ban Ki-moon fez o apelo aos líderes das partes em conflito, a quem pediu o fim imediato de todas as operações militares no país. Um evento de alto nível sobre o Sudão do Sul decorreu à margem da 70ª Assembleia Geral na sede das Nações Unidas.

Situação Caótica

O presidente sul-sudanês, Salva Kiir, participou no evento via videoconferência a partir da capital do país, Juba. Em Nova Iorque, esteve o líder da oposição Salva Kiir.

Durante a sessão, Ban dirigiu-se diretamente ao chefe de Estado sudanês e disse não entender porque a nação mais nova do mundo acabou caindo no que chamou de “situação caótica” atual.

Ban declarou que agora a responsabilidade de Kiir, de Machar e dos líderes locais é transformar o Sudão do Sul e colocá-lo rumo a uma via pacífica.

Liderança

O chefe da ONU disse que como primeiro presidente sul-sudanês essa  responsabilidade política e histórica cabia a Kiir. Ele afirmou que conta com a sua forte liderança e visão para o país.

Ban afirmou que todos os participantes no encontro querem ajudar aos sul-sudaneses, e que esperava que o líder do país não vá trair ou dececionar.

O representante disse que a recente assinatura do acordo de paz renovou as esperanças sobre o futuro do Sudão do Sul, onde milhares de pessoas morreram devido ao conflito dos últimos dois anos.

Acordo de Paz

De acordo com a ONU, mais de 2 milhões de pessoas fugiram das suas casas antes da assinatura do acordo de paz no final de agosto passado.

Ao discursar no encontro o  presidente Salva Kiir disse que quando decidiu juntar-se à luta há três décadas, não esperava a libertação do povo para “levá-lo de volta à guerra.”

Kiir disse estar determinado a parar com conflito “sem sentido” e a garantir que juntamente com a oposição armada seja construído um país democrático e harmonioso com a união em torno da implementação do acordo.

Identidade Nacional

Ban considera essencial fazer reformas a longo prazo para que o Sudão do Sul ultrapasse as questões de etnia e reconstrua uma identidade verdadeiramente nacional.

O chefe da ONU defende que sejam feitos todos os esforços  para promover uma distribuição mais equilibrada de poder e de riqueza.

O secretário-geral disse que durante o conflito foram cometidos os “crimes mais horrendos contra civis”, além de ter sido destruído o tecido social do país.

Responsabilidade

Ele declarou que as disposições do acordo de paz relacionadas à justiça, à responsabilidade e à reconciliação devem ser totalmente executadas para concertar a situação.

O chefe da ONU saudou a decisão do Conselho de Paz e Segurança da União Africana sobre a implementação de uma comissão de inquérito para a criação do Tribunal Híbrido sobre o Sudão do Sul.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 12 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 12 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031