Banco Mundial regista progresso de igualdade de género no norte de África

Ouvir /

Relatório da instituição financeira mostra avanço também no Médio Oriente; documento diz que apesar da melhora várias barreiras ainda persistem.

Foto: ONU Mulheres

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.*

Um relatório do Banco Mundial lançado esta quarta-feira registou um progresso em relação à igualdade de género no norte de África e no Médio Oriente.

O documento refere que Egito, Arábia Saudita e Líbano realizaram reformas para ajudar nos avanços económicos das mulheres.

Emprego e Empresa

O Banco Mundial disse que apesar da melhora várias barreiras ainda persistem. As mulheres nas duas regiões ainda estão a enfrentar dificuldades para arranjar um emprego ou abrir uma empresa.

O relatório explica que foram criadas leis que para proteger as mulheres da violência doméstica na Arábia Saudita e no Líbano. A decisão elevou para quatro o número de economias na região, junto com Jordânia e Malta, com proteções legais para mulheres contra parceiros abusivos.

O Egito criminalizou o assédio sexual em áreas públicas e implementou a cota de 25% de mulheres nos conselhos municipais e de 10% no Parlamento.

A Arábia Saudita e a Tunísia também estão a implementar novas regras no setor.

Leis

O relatório é publicado a cada dois anos e examina leis que impedem as mulheres de buscar empregos ou de abrirem seus próprios negócios em 173 países.

No norte de África e no Médio Oriente, os especialistas do Banco Mundial avaliaram 19 economias.

O documento concluiu que as mulheres que estão a viver na região enfrentam uma ampla variedade de constrangimentos legais à sua atividade económica.

A instituição está a dar como exemplo leis que estão a proibir que mulheres casadas possam se tornar "chefes da casa", elas também não podem tirar passaporte ou se candidatar a um emprego sem a permissão do marido.

Economias Restritas

O relatório mostra que a região está a abrigar 11 das 15 economias mais restritas do mundo em relação ao trabalho da mulher ou sua condição de abrir uma empresa.

O Banco Mundial diz que um número cada vez menor de meninas está a frequentar a escola secundária, menos mulheres trabalham ou são donas de seus próprios negócios e está a existir uma diferença muito alta entre os salários pagos a homens e mulheres.

Nos países que não têm leis de proteção contra a violência doméstica, as mulheres geralmente tendem a ter menor duração de vida.

*Apresentação: Laura Gelbert.

Leia Mais:

Moçambique: ONU quer fim da violência onde um terço de mulheres é vítima

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031