Total de migrantes que chegam à Grécia pelo mar aumenta 750%

Ouvir /

Entre janeiro e julho, país recebeu 124 mil refugiados que atravessaram o Mediterrâneo, segundo Acnur; comparação é com o mesmo período do ano passado; maioria fugiu da Síria, Afeganistão e Iraque.

 O Acnur está fornecendo serviços de tradução, informações legais e assistência básica aos migrantes. Foto: Acnur

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York. 

Segundo o Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, a crise de migrantes na Grécia só piora e uma ação urgente é necessária para reverter a situação.

Entre janeiro e 31 de julho, 124 mil refugiados que atravessaram o  mar Mediterrâneo conseguiram chegar ao país. O total representa um aumento de 750% em relação ao mesmo período do ano passado.

Origem

Somente em julho, a Grécia registrou 50 mil chegadas de migrantes pelo mar, principalmente nas ilhas de Lesvos, Chios, Kos, Samos e Leros. A maioria fugiu da Síria, Afeganistão e Iraque.

O Acnur destaca que 63% dos migrantes que chegaram às ilhas gregas são sírios. Muitos estavam exaustos e precisavam de cuidados médicos com urgência, além de água, comida e abrigo.

Assistência

O diretor do Acnur para a Europa, Vincent Cochetel, afirmou que "as autoridades gregas precisam urgentemente criar um órgão especial para coordenar a chegada desses migrantes e fornecer assistência humanitária.

Ao mesmo tempo, o representante lembra que a Grécia enfrenta grandes desafios financeiros, por isso, outros países da Europa precisam apoiar os gregos neste sentido.

Generosidade

Aos migrantes, o Acnur está fornecendo serviços de tradução, informações legais e assistência básica, como garrafas de água, biscoitos energéticos, colchonetes e kits de higiene. A agência da ONU lembra que o mundo precisa "reconhecer a generosidade dos gregos num contexto social difícil".

Outra dificuldade é transferir os milhares de refugiados das ilhas para Atenas. Na capital grega, cerca de 400 pessoas estão dormindo num parque, enquanto o governo cria um centro para receber as famílias.

Desde o começo do ano, 225 mil refugiados e migrantes conseguiram chegar à Europa pelo mar Mediterrâneo, mas 2,1 mil morreram na travessia.

França

O Acnur também está preocupado com a quantidade de migrantes que morreram tentando atravessar o canal da cidade portuária francesa de Calais, na tentativa de chegar à Inglaterra. Pelo menos 10 mortes foram registradas em dois meses.

A agência calcula que 3 mil refugiados e migrantes estão em Calais, ao norte da costa da França, e muitos precisam de proteção internacional após fugir do Afeganistão, da Eritreia, da Somália, do Sudão e da Síria.

Leia mais:

Acnur: quase 400 refugiados salvos após naufrágio na costa da Líbia

Mediterrâneo é rota “mais fatal” para migrantes, diz agência parceira da ONU

OIM e Acnur formam técnicos para salvar migrantes no Mediterrâneo

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031