ONU condena tentativa de assassinato de ativista no Burundi

Ouvir /

Pierre Claver Mbonimpa foi alvejado a tiros por desconhecidos na segunda-feira; secretário-geral deplora “padrão crescente de violência politicamente motivada”; escritório condena prisão e brutalização de jornalista da RFI e AFP.

Bandeira do Burundi.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O secretário-geral, Ban Ki-moon, condenou vigorosamente a tentativa de assassinato de um proeminente ativista de direitos humanos no Burundi na noite de segunda-feira.

Pierre Claver Mbonimpa foi ferido após ser baleado por desconhecidos em Bujumbura. Em nota, o chefe da ONU considerou “muito grave” o ataque.

Moto

O Escritório da ONU dos Direitos Humanos revela, em nota separada, que Mbonimpa foi alvejado quatro vezes, incluindo no pescoço. Dois atacantes dispararam contra a  moto em que a vítima seguia a caminho da sua casa.

Ban desejou uma recuperação total e rápida do ativista e pediu uma investigação rápida e transparente para que os responsáveis do crime sejam levados à justiça.

Padrão

Ban disse que o incidente faz parte de um “padrão crescente de violência politicamente motivada”, que deve ser interrompida antes que piore e fique fora de controlo. No domingo, foi assassinado o general Adolphe Nshimirimana.

Para o secretário-geral, a melhor resposta a tais tentativas de desestabilizar o Burundi é a  responsabilização e a retomada de um diálogo político genuíno e inclusivo.

Jornalista Atacado

Entretanto, o Escritório de Direitos Humanos também pediu “investigações imediatas, transparentes e exaustivas” das autoridades a um “incidente grave” contra um jornalista e que estas garantam a prestação de contas dos responsáveis.

No domingo, o correspondente da RFI  e da AFP, Esdras Ndikumana, foi preso e brutalizado por elementos da agência de inteligência burundesa. Ele tirava fotos no local da morte do general Nshimirimana.

Trauma

O profissional  teria sido torturado sob alegações de ser um ” jornalista inimigo” na sede da agência em Bujumbura. Ele está sob cuidados médicos com “um dedo partido e trauma psicológico”.

A entidade declara que a impunidade dos autores de violações dos direitos humanos deve acabar. O escritório também revela preocupação com o grande número de detenções arbitrárias nos últimos meses.

Mais de 600 pessoas estão presas sem acusação desde abril. Após visitas regulares aos locais de detenção, o escritório disse ter documentado mais de 40 casos de tortura e de maus-tratos.

Leia Mais:

Em conferência telefónica, chefe da ONU e líderes africanos debatem o Burundi

Burundi: Ban revela grande apreensão após assassinato de proeminente general

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031