ONU condena ataque que deixou dezenas de mortos na Síria

Ouvir /

Ação ocorreu em um mercado na cidade de Duma; enviado das Nações Unidas ao país chamou o bombardeio de "devastador"; já o subsecretário-geral para Assuntos Humanitários, Stephen O’Brien, encerrou sua primeira visita à Síria.

Stephen O'Brien (segundo à esquerda) visita Homs, na Síria. Foto: Ocha

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

O enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, expressou sua condenação ao ataque aéreo em um mercado na cidade de Duma.

Citando relatos de ativistas, agências de notícias mencionam que pelo menos 96 pessoas morreram na ação.

Inaceitável

Staffan de Mistura chamou de "devastador" o "bombardeio do governo a Duma" no domingo.  O enviado especial afirmou que "ataques em áreas civis com bombas aéreas indiscriminadas, tais como bombas de vácuo, são proibidos pela lei internacional".

O representante declarou ainda que um "governo atingir mercados civis matando quase 100 dos seus próprios cidadãos é inaceitável sob qualquer circustância".

Em nota emitida nesta segunda-feira, o porta-voz do enviado especial mencionou ainda o bombardeio indiscriminado de Damasco na semana passada por grupos armados de oposição e o corte do suprimento de água, medidas que afetam civis, que também considerou "inaceitáveis".

Acesso Humanitário 

Staffan de Mistura afirmou que o "acesso humanitário deve ser permitido de forma incondicional" e que "as mortes devem parar". O enviado especial declarou ainda que "não há solução militar para este conflito, como ficou provado nos últimos anos".

Ele pediu a todas as partes sírias que interrompam urgentemente todos os atos de violência e comecem o diálogo em direção à solução política para a crise.

Falando a jornalistas esta segunda-feira, em Damasco, o subsecretário-geral da ONU para os Assuntos Humanitários lançou  um apelo a “todos e a cada parte” do conflito prolongado para que protejam os civis e respeitem o direito internacional humanitário.

Horror

No fim da sua primeira visita à Síria, Stephen O’Brien  disse estar “horrorizado” com o que chamou de “total desrespeito pela vida dos civis” no país.

O representante disse estar particularmente chocado com as notícias de ataques aéreos que mataram dezenas de civis no domingo. O’Brien lembrou que os civis suportam o peso do conflito de mais de quatro anos.

O’Brien disse que os ataques contra civis são ilegais, inaceitáveis e devem cessar.

Água

O chefe humanitário também deplorou os cortes de água feitos por grupos armados não-estatais, o que chamou de uma “arma inaceitável de guerra”.

Na capital síria, pelo menos 5 milhões de pessoas ficaram sem água por três dias devido às ações. Em Alepo, 2 milhões de pessoas passaram pela mesma situação por 17 dias.

Durante a sua visita, O’Brien, que é chefe do Escritório da ONU para Coordenação de Assistência Humanitária, Ocha, reuniu-se com representantes do governo e falou de formas para reforçar as operações humanitárias.

Leia Mais:

Síria: Comissão saúda libertação de ativistas

Kaká apoia campanha da ONU #ShareHumanity, sobre ajuda humanitária

 

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031