Falta de acesso a iemenitas pode causar fome em milhões, segundo PMA

Ouvir /

Programa Mundial de Alimentos afirma que insegurança alimentar já afeta 13 milhões de civis e número dos que dependem urgente de comida para sobreviver pode aumentar; conflito também levou à redução das importações.

 

Família no Iêmen teve casa destruída. Foto: Ocha/Charlotte Cans

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Após visitar os civis afetados pela violência no Iêmen, a diretora do Programa Mundial de Alimentos, PMA, declarou que a falta de acesso aos que precisam receber comida pode causar fome em milhões de pessoas.

Outro problema é a falta de financiamento para atender 13 milhões de iemenitas que enfrentam insegurança alimentar, ou seja, não têm comida suficiente. Deste total, a chefe do PMA, Ertharin Cousin, destaca que 6 milhões precisam urgentemente de assistência para conseguir comer.

Importações

Além da falta de alimentos, os civis no Iêmen não conseguem obter água potável e o acesso aos combustíveis é menor, criando o "cenário perfeito para uma tempestade", nas palavras da diretora do PMA.

Impactos no setor comercial de alimentação criaram fortes reduções nas importações, aumentando a inflação para vários produtos e commodities alimentares.

Como resultado, até pessoas que antes podiam comprar comida estão tendo dificuldades atualmente, segundo Ertharin Cousin. Ela passou três dias em Áden, Sana e Amran, conversando com famílias que abandonaram suas casas.

Desnutrição

Cousin também teve reunião com autoridades dos dois lados da linha de combate e com funcionários do PMA, de outras agências da ONU e de ONGs parceiras.

Sem ação rápida, a diretora acredita que os danos do conflito para as crianças serão "irreversíveis", já que 1,2 milhão de menores estão desnutridos e 500 mil crianças enfrentam desnutrição severa.

Desde o início do conflito no Iêmen, há quase cinco meses, o PMA conseguiu fornecer comida para 3,5 milhões. Uma operação de emergência está planejada para começar em setembro e vai custar US$320 milhões, por isso a agência pede aos países que ajudem a financiar a ação.

Desprezo pela Vida

A situação no Iêmen foi tema de um debate na tarde de quarta-feira no Conselho de Segurança. O subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, que visitou o país recentemente, afirmou que todos os lados em conflito estão "desprezando a vida humana".

Stephen O'Brien lembrou que os ataques são "inaceitáveis", porque são os civis os que pagam o preço do confronto: quatro entre cinco iemenitas precisam de assistência humanitária.

Já o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, condenou um ataque ocorrido na noite de terça-feira em Amram. No ataque aéreo, 13 professores e quatro crianças foram mortos e 20 pessoas ficaram feridas.

Leia Mais:

Cerca de mil crianças já foram vítimas do conflito no Iêmen

ONU recebeu apenas 18% da verba necessária para ajudar iemenitas

OMS: 23% das instalações de saúde no Iêmen foram afetadas pela violência

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031