Acnur saúda declaração franco-britânica para abordar situação em Calais

Ouvir /

Alto comissário da ONU para Refugiados elogiou particularmente os elementos "humanitário e de proteção" do plano; Guterres reconhece a "importância de combater contrabandistas e traficantes que exploram indivíduos vulneráveis".

Milhares de migrantes e requerentes de asilo da Síria, Iraque, Etiópia, Sudão, Paquistão e Afeganistão estão vivendo em acampamentos improvisados ou nas ruas em Calais, França. Foto: Acnur/C. Vander Eecken

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

O alto comissário da ONU para Refugiados saudou a declaração conjunta franco-britânica anunciada nesta quinta-feira sobre a "complexa" situação em Calais.

António Guterres elogiou particularmente os elementos "humanitário e de proteção" do plano, ao mesmo tempo "reconhecendo a importância de combater contrabandistas e traficantes que exploram indivíduos vulneráveis".

Traficantes

Neste contexto, segundo a agência, é importante notar que para ser eficaz em reprimir contrabandistas e traficantes, é preciso aumentar o número de vias legais para pessoas que precisam de proteção irem à Europa.

De acordo com agências de notícias os dois governos apresentaram o chamado “centro de controle e comando”, que será executado pelas polícias britânica e francesa. O objetivo é deter gangues de contrabando de pessoas.

Cálculos são de que  3 mil migrantes estejam acampados na cidade portuária francesa na esperança de cruzar o Canal da Mancha para o território britânico.

Proteção Internacional

Guterres afirmou que é provável que muitos dos que estão em Calais precisem de proteção internacional, tendo vindo do Afeganistão, Eritreia, Síria, Somália e Sudão.

Ele declarou que a agência espera trabalhar com a França e o Reino Unido para apoiar ações para encontrar soluções para eles.

Condições de Vida

O Acnur elogiou medidas propostas para melhorar as condições de vida e  acolhimento na região de Nord-Pas-de-Calais e em outros locais, além das ações paralelas para abordar temas como acesso a asilo e alojamento.

O  plano de ação também aborda necessidades específicas de pessoas vulneráveis em Calais, como o crescente grupo de mulheres e crianças.

Sintoma

Para Guterres, Calais continua a ser "apenas um sintoma de movimentos migratórios e de refugiados mais amplos".

O Acnur espera por "ação robusta" na implementação da Agenda Europeia sobre Migração e "na criação de formas efetivas de cooperação internacional, incluindo com países de origem, primeiro asilo e trânsito".

Síria

Grande parte das chegadas por mar ocorre devido ao conflito na Síria e ao agravamento das condições para os refugiados do país nas nações vizinhas.

Por isso, o Acnur afirma ser "essencial" continuar a apoiar os refugiados e os países que ajudam a suportar o peso do deslocamento forçado global.

Leia Mais:

Acnur: número de refugiados e migrantes chegando à Grécia chega a 160 mil

Total de migrantes que chegam à Grécia pelo mar aumenta 750%

OIM menciona asfixia por fumo como causa das 49 mortes no Mediterrâneo

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031