OMS quer mais impostos para combater epidemia do tabaco

Ouvir /

Agência da ONU disse que poucos governos fazem uso dessa medida apropriada para combater a demanda; doenças derivadas do tabaco matam 6 milhões de pessoas por ano.

Aumento de impostos sobre produtos derivados do tabaco. Foto: OMS

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, quer que os governos aumentem os impostos sobre os produtos derivados do tabaco.

O pedido consta do relatório sobre a Epidemia Global do Tabaco 2015, lançado esta terça-feira.

Forma Eficaz

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, afirmou que "aumentar as taxas sobre o tabaco é uma das formas mais eficazes para se reduzir o consumo de produtos que matam e ainda gerando uma fonte de renda significativa".

Chan quer que os governos analisem as evidências e não os argumentos da indústria do fumo, e adotem uma das melhores políticas disponíveis para a saúde.

O diretor do departamento de Doenças Crônicas da organização, Douglas Bettcher, afirmou que os altos impostos e preços.

Bettcher disse que esses são métodos comprovados para reduzir o consumo e fazer com que as pessoas deixem de fumar.

Segundo o relatório, o imposto sobre o tabaco pode servir como importante fonte de financiamento para a implementação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pós-2015.

Ameaças

As doenças relacionadas ao fumo representam uma das maiores ameaças à saúde pública que o mundo enfrenta. Aproximadamente uma pessoa morre de doenças causadas pelo tabaco a cada seis segundos, o que equivale a 6 milhões por ano.

A OMS prevê que esse número suba para mais de 8 milhões até 2030, a menos que os governos adotem medidas fortes para controlar a epidemia.

O consumo dos produtos derivados do tabaco é um dos quatro principais fatores de risco por trás da epidemia global de doenças crônicas, que inclui câncer, doenças cardiovasculares e dos pulmões e diabetes.

Em 2012, essas doenças mataram 16 milhões de pessoas prematuramente, antes dos 70 anos, com mais de 80% dos óbitos registrados em países de média e baixa rendas.

O relatório mostra que apenas 33 países impõem impostos que chegam a 75% do preço do maço do cigarro, mas muitos outros aplicam taxas muito baixas ou não aplicam nenhum imposto especial.

Brasil

A Convenção Quadro da OMS sobre o Controle do Tabaco, Fctc, determina a implementação de seis medidas para reduzir o consumo, entre elas estão políticas de prevenção e para monitorar o uso dos produtos e proteger as pessoas da fumaça.

Além disso, os governos devem oferecer ajuda para quem quiser largar o vício, alertar a população sobre os perigos do tabaco, proibir comerciais e promoção de cigarros e aumentar os impostos.

Segundo a OMS, o Brasil é um dos países que implementou todas ou quase todas as medidas sugeridas pela Fctc, junto com o Irã, Madagascar, Nova Zelândia, Panamá, Turquia e Uruguai.

Leia Mais:

Ban pede ação para combater comércio ilegal de produtos de tabaco

OMS alerta que o tabaco pode causar 1 bilhão de mortes no século 21

Tratado global sobre controle do tabaco completa 10 anos com alguns avanços

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031