Especialista aplaude medidas para melhorar finanças públicas na Guiné-Bissau

Ouvir /

Técnico do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento fez ponto da atual situação económica do país; governo guineense estima o crescimento económico do ano passado em 2,5%.

Bandeira da Guiné-Bissau

Amatijane Candé da Rádio ONU em Bissau.

A evolução macroeconómica da Guiné-Bissau foi marcada por uma melhoria de produção industrial, pelo aumento do comércio e pelo reforço da arrecadação das receitas.

A conclusão é do economista nacional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, Pnud.

Inácio Ié falou a Rádio ONU da atual situação económica do país, tendo realçado as medidas tomadas pelo governo para controlar as despesas e moralizar as finanças públicas.

Medidas Estruturais

"Assistimos o aumento dos ativos líquidos externos do sistema bancário comparado com o ano passado, no plano interno o governo conseguiu apurar os salários em atraso e honrar com alguns compromissos com os parceiros financeiros internacionais".

Para o especialista, as medidas reduziram o desequilíbrio das contas exteriores e manter a estabilidade financeira interna. A balança comercial do país situa-se atualmente em menos 6 mil milhões de Francos cfas contra o défice de 24,8 mil milhões de Francos registado em igual período do ano passado.

Mesa Redonda

Inácio Ié apontou o retorno à normalidade constitucional como fator que permitiu o país sentar-se à mesa com os parceiros do desenvolvimento para apresentar o plano estratégico

Inácio Ié. Foto: Arquivo pessoal

e operacional "Terra Ranca". O programa teve um financiamento de US $ 1,5 mil milhões.

O economista destacou a comercialização da castanha de caju e disse que o preço ao produtor de 250 Francos acabou flutuando em torno de 600 Francos o quilo. O valor não se praticava desde 1999.

Para Inácio Ié, trata-se de uma campanha histórica e revelou otimismo ao falar das perspetivas de crescimento económico.

Previsão de Crescimento

"Tal como foi precisado, a projeção de 5 % de crescimento, nós estimamos que se a situação for melhorada e conjugada com o progresso que assistimos no domínio da exportação de caju, o país poderá superar as dificuldades e chegar ao crescimento indicativo avançado".

O economista nacional do Pnud apontou fatores de risco e desafios que podem afetar os progressos alcançados. Entre eles estão a contínua fragilidade, o que chamou de desafios institucionais que o país enfrenta e a lentidão na implementação de mecanismos de seguimento dos resultados da mesa redonda.

O Ministério das Finanças indica que a economia guineense registou um crescimento na ordem de 2,5%, saindo de 2 para 4,5 % no ano passado.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031