Djinnit sai da mediação de diálogo no Burundi mas continua a seguir o processo

Ouvir /

Enviado especial do secretário-geral para os Grandes Lagos vai acompanhar os progressos como representante regional; Ele agradeceu a cooperação das partes envolvidas durante o diálogo que sublinha ter facilitado com imparcialidade.

Said Djinnit. Foto: ONU/Paulo Filgueiras

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O enviado especial do secretário-geral para os Grandes Lagos, Said Djinnit, deixou de mediar o diálogo político no Burundi.

Em nota, as Nações Unidas disseram que vão prosseguir consultas  com líderes da região, da Comissão da União Africana, da Comunidade da África do Leste e da Conferência Internacional sobre os Grandes Lagos.

Diálogo

O objetivo será analisar melhor como a ONU pode continuar a apoiar os esforços internacionais para encorajar o diálogo político entre as partes envolvidas no Burundi.

Em declarações à Rádio ONU da capital burundesa Bujumbura, o porta-voz da Missão da ONU no Burundi, Vladimir Monteiro, revelou que Djinnit vai continuar a acompanhar a situação como representante regional das Nações Unidas.

Facilitação

“Ele chegou no fim de maio para facilitar o diálogo entre as partes burundesas: o governo, o partido no poder e aliados, a oposição, a sociedade civil e as entidades religiosas. Houve uma série de situações em discussão com acordos pelo meio com destaque para dois pontos, sobretudo o mandato do presidente atual e as manifestações. Duas correspondências foram enviadas pela oposição e pela sociedade civil ao secretário-geral sobre essa facilitação. Said Djinnit tomou nota dessas correspondências mas também, com base nisso, abandona a facilitação que era feita com outras partes. Mas continua a acompanhar a situação no Burundi, na qualidade de enviado especial para a região dos Grandes Lagos.”

A organização diz acreditar que a questão burundesa será discutida na presente cimeira da União Africana em Joanesburgo. As Nações Unidas afirmam que após as consultas haverá mais clareza sobre a situação, incluindo o papel de facilitador.

Golpe Fracassado

Djinnit foi incumbido de mediar o diálogo no Burundi em abril passado, na sequência das manifestações pré-eleitorais que provocaram mortos e dezenas de milhares de refugiados. As semanas de protestos culminaram com um golpe fracassado.

Monteiro disse que a situação continua preocupante e que uma morte foi registada esta quinta-feira. O porta-voz revelou que entidades regionais defendem a continuação do processo de diálogo.

“O caminho a seguir, segundo as organizações regionais: a União Africana, a Comunidade dos Países da África do Leste, e a Conferencia Internacional da Região dos Grandes Lagos é que o diálogo continue.”

Djinnit esteve em Bujumbura a dirigir o processo desde maio, dias depois dos protestos na sequência do anúncio da candidatura do Presidente Pierre  Nkurunzinza a um terceiro mandato nas eleições marcadas para 15 de julho.

Processo

Em nota, Djinnit agradeceu a todas as partes do Burundi pela cooperação durante o diálogo, que declarou ter facilitado com imparcialidade. O reconhecimento também foi dirigido a parceiros internacionais que intervieram no processo.

A tensão no Burundi levou a ONU a chamar a atenção para a crise humanitária preocupante na região. Cerca de 100 mil burundeses atravessaram as fronteiras para países como Ruanda, Tanzânia e República Democrática do Congo.

Leia Mais:

Clip: facilitador da ONU deixa de fazer parte do diálogo no Burundi

ONU alerta que violência de milícias pode piorar situação no Burundi

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031