Conselho de Segurança promete resposta rápida a atos contra paz no Burundi

Ouvir /

Órgão reuniu-se à porta fechada para acompanhar informe do representante do secretário-geral para os Grandes Lagos; PMA teme que situação política se transforme em crise humanitária; refugiados do país chegam a 50 mil.

Refugiados burundeses. Foto: Acnur/K.Holt

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Os países-membros do Conselho de Segurança prometeram continuar atentos aos progressos em relação à onda de violência no Burundi, “até que melhore a situação política e de segurança”.

O anúncio foi feito a jornalistas esta sexta-feira, em Nova Iorque, pela embaixadora da Lituânia. Raimonda Murmokaité falou na qualidade de representante do país que preside rotativamente o órgão em maio.

Violência

A diplomata disse que vai haver resposta rápida a qualquer ato que ameace a paz, a segurança e a estabilidade no Burundi, detendo ativamente a violência ou atos que incluem a distribuição de armas.

Após a reunião à porta fechada, o órgão reiterou que todas as partes devem  comprometer-se com a paz e segurança no país.

O encontro foi marcado pelo informe do representante do secretário-geral para os Grandes Lagos, Said Djinnit, que está a facilitar o processo de diálogo no Burundi.

Refugiados

Entretanto, mais de 50 mil pessoas fugiram para os vizinhos Ruanda, Tanzânia e República Democrática do Congo, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur. A maioria é composta por mulheres e crianças.

A agência revelou haver sinais alarmantes do progresso da violência pré-eleitoral desde o seu início em meados do mês passado.

Milícias

O Acnur mencionou os protestos desta semana na capital, Bujumbura, e relatos de violência diária que se alastraram para as outras províncias.

Os recém-chegados ao Ruanda contaram ter deixado o seu país por terem sido perseguidos e intimidados por jovens das milícias Imbonerakure, o que os obrigou deixar o Burundi como medida de precaução.

Desenvolvimento

Os relatos apontam para várias pessoas que tiveram dificuldades de deixar o país,  mulheres que sofreram ameaças de estupro por parte de homens armados e ações de suborno para se livrarem dos obstáculos na rota em busca de abrigo.

O Acnur disse que desde o fim da guerra civil, em 2005, o Burundi registou um dos mais promissores sinais de desenvolvimento no continente africano em relação aos refugiados.

Segurança Alimentar

O Programa Mundial de Alimentação, PMA, disse temer que a crise política no Burundi seja transformada em crise humanitária. Além das fugas para os países vizinhos, a agência destaca o possível impacto na segurança alimentar do país.

O PMA disse estar a preparar-se para ajudar até 100 mil refugiados no Ruanda com os parceiros humanitários, caso seja necessário. No país vizinho, a agência instalou um acampamento e três centros de trânsito para apoiar os burundeses.

A agência distribui biscoitos energéticos aos refugiados, além de refeições quentes. Um quarto das crianças acolhidas em Mahama estava desnutrida.

Leia Mais:

Cerca de 40 mil burundeses deixaram o país devido à violência pré-eleitoral

Enviado da ONU pede "oportunidade de diálogo" no Burundi

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031