Para ONU, plano da União Europeia sobre migrantes é "bom começo"

Ouvir /

Agência das Nações Unidas para Refugiados lembra que prioridade deve ser salvar vidas no mar após tragédia que matou mais de 800 no Mediterrâneo; sobreviventes contaram que haviam crianças no barco que naufragou.

Homem sírio com seu filho de um ano de idade que foram resgatados no Mediterrâneo. Foto: Acnur/A. D’Amato

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, saudou esta terça-feira o plano de ação de 10 pontos divulgado pela União Europeia, com o objetivo de resolver a crise de migrantes no Mar Mediterrâneo.

Mas a agência das Nações Unidas lembrou que salvar vidas no mar deve ser prioridade. Em Genebra, o representante do Acnur, Volker Turk, falou à Rádio ONU sobre a proposta.

Compromissos

Turk explicou que o plano dos ministros europeus é um "bom começo", porque menciona reassentamento de migrantes e apoio à Itália e à Grécia. Mas ele ressaltou ser preciso conhecer os compromissos mais concretos, como alternativa legal à migração.

O Acnur atualizou os números sobre a tragédia ocorrida no fim de semana, quando um barco que saiu da Líbia naufragou: 850 pessoas estavam a bordo e apenas 28 sobreviveram.

Relatos

Pelo menos 350 eritreus estavam na embarcação, além de cidadãos da Síria, Somália, Serra Leoa, Senegal, Mali, Gambia, Costa do Marfim e Etiópia. Segundo a agência da ONU, mais de 800 pessoas morreram afogadas, sendo o pior incidente já ocorrido no Mediterrâneo.

Um jovem de Bangladesh foi levado de helicóptero à Sicília e os outros 27 sobreviventes chegaram na segunda-feira à noite a Catania, cidade também na Sicília.

Crianças

De acordo com funcionários no Acnur em Catania, os sobreviventes estavam nervosos e cansados e receberam cuidados médicos, água e comida. Há relatos de que crianças estavam no barco que afundou, mas nenhuma foi encontrada até o momento.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, destacou que muitos menores que encaram essas jornadas de barco "são expostos a abusos, exploração e até morte", uma violação da Convenção sobre os Direitos da Criança.

Tráfico

O Unicef pede que qualquer ação para conter os migrantes no Mediterrâneo leve em conta o bem estar das crianças, que precisam receber cuidados em locais seguros e ter acesso à educação, saúde e serviços sociais.

A agência da ONU defende também reforço das operações de busca e de resgate, combate aos traficantes de seres humanos e soluções para as raízes da migração, como conflitos, pobreza e discriminação.

Também esta terça-feira, a Organização Internacional para Migrações, OIM, informou que desde janeiro, mais de 1,7 mil pessoas podem ter morrido afogadas no Mar Mediterrâneo, número 30 vezes maior do que o total de fatalidades do mesmo período do ano passado.

Leia Mais:

OIM acredita que mais barcos possam ter afundado no Mediterrâneo

ONU teme morte de 700 migrantes em nova tragédia no Mediterrâneo

Guarda costeira italiana resgata mais migrantes no Mediterrâneo

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031