ONU pede mais para ações para proteger civis no Afeganistão

Ouvir /

Após visitar o país, secretário-geral assistente realçou dificuldades; no primeiro trimestre morreram 655 civis e outros 1.155 ficaram feridos devido à violência; Ivan Simonovic falou com menores presos por tentar executar ataques suicidas.

Ivan Simonovic (ao centro) em sua visita ao Afeganistão. Foto: Unama/ Fardin Waezi

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O secretário-geral assistente de Direitos Humanos disse que mais precisa ser feito para proteger os civis do Afeganistão. As declarações de Ivan Simonovic foram feitas esta terça-feira, no fim da visita de uma semana ao país.

Em nota, o representante destacou uma situação de segurança “cada vez mais difícil” após a retirada das tropas estrangeiras e a transferência das responsabilidades  de segurança para as forças afegãs.

Mortos

Dados preliminares compilados pela Missão da ONU no Afeganistão, Unama,  apontam para a morte de 655 civis e 1.155 feridos no primeiro trimestre de 2015.

Simonovic disse que esse balanço confirma a tendência negativa, após um 2014 que considerou um “ano terrível para a população civil do Afeganistão”.

Na nota, ele destacou que os civis afegãos são os que “pagam o preço pela violência”, ao apontar o exemplo do ataque suicida que fez pelo menos 35 mortos na semana passada na cidade de Jalalabad.

Crimes de Guerra

Simonovic considera inaceitável que os afegãos tenham de enfrentar diariamente a violência.  Para o responsável, não pode haver dúvidas de que o uso dessas táticas “representa crimes de guerra e que os responsáveis pela sua organização ou execução devem ser levados à justiça”.

Para o secretário-geral assistente, o Afeganistão encontra-se numa situação paradoxal. Por um lado, com oportunidades para as negociações de paz que não se poderiam imaginar há alguns meses.

Mas por outro, afirmou que o conflito tende a intensificar-se  numa altura em que insurgentes “testam a resistência das forças de segurança na esperança de ganhar influência em futuras negociações”.

Crianças

No Afeganistão, a visita incluiu crianças detidas por crimes relacionados com o conflito, incluindo a tentativa de cometer atentados suicidas. Vítimas civis e médicos no hospital de emergência em Cabul também foram ouvidas.

Na série de encontros, Simonovic incluiu o presidente, Ashraf Ghani, e o chefe do governo, Abdullah Abdullah . O representante da ONU disse ter sido encorajado pelo compromisso de pôr fim à tortura em centros de detenção e com medidas para preparar um plano de ação nacional de prevenção da prática.

Simonovic acompanhou o lançamento de estudo sobre barreiras para as mulheres na justiça. Ele saudou a nomeação de quatro ministras, tendo realçado a obrigação de garantir a representação feminina em instituições como polícia e o poder judiciário, além da sua participação no processo de paz.

Leia Mais:

ONU condena atentado que matou pelo menos 35 no Afeganistão

Representante da ONU “chocado” com morte de trabalhadores humanitários

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031