OMS alerta que metas de vacinação global estão "fora dos trilhos"

Ouvir /

Agência da ONU diz que uma em cada cinco crianças no mundo não toma as vacinas básicas que poderiam evitar 1,5 milhão de mortes por ano; em 2013, 22 milhões de bebês não receberam as três doses da vacina tríplice, contra difteria, tétano e coqueluche.

Segundo a OMS, uma em cada cinco crianças no mundo não recebe as vacinas básicas. Foto: Banco Mundial/Kenneth Pornillos

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS alertou que as metas globais de vacinação estão "fora dos trilhos".

A agência da ONU diz que uma em cada cinco crianças no mundo não recebe as vacinas básicas que podem impedir 1,5 milhão de mortes por ano de doenças consideradas evitáveis.

22 Milhões

A Semana Mundial da Imunização vai de 24 a 30 de abril e a organização pede aos países que renovem os esforços para continuar progredindo no setor.

Em 2013, a OMS explica que 22 milhões de bebês não receberam as três doses obrigatórias da vacina tríplice, contra a difteria, o tétano e a coqueluche. Muitos desses recém nascidos vivem nas regiões mais pobres do mundo.

A diretora-geral assistente da agência para saúde familiar, Flávia Bustreo, afirmou que "a Semana de Imunização tem como foco revigorar os esforços mundiais para garantir a vacinação de todas as crianças, onde quer que elas estejam".

Plano de Ação

Em 2012, os 194 países-membros da OMS endossaram o Plano de Ação Global de Vacinas, um compromisso para assegurar que ninguém deixe de receber vacinas vitais.

Um relatório recente sobre o progresso do Plano de Ação mostrou que os medicamentos não estão sendo entregues de forma equitativa ou de forma confiável.

O documento diz que apenas um dos seis principais objetivos de vacinação para 2015 está avançando corretamente.

A agência da ONU afirmou que muitos países enfrentaram epidemias de sarampo no último ano, o que representa uma ameaça à meta de eliminar a doença em três regiões da OMS até o fim do ano.

Recomendações

Para combater o problema, o Plano de Ação recomenda três passos importantes. O primeiro é a integração da imunização a outros serviços de saúde, como cuidado pós-natal para mulheres e bebês.

É fundamental fortalecer os sistemas de saúde para que as vacinações continuem ocorrendo mesmo em épocas de crise e, por fim, os governos devem garantir que todas as pessoas tenham acesso a vacinas e condições de pagar por elas.

A OMS diz que a colaboração mundial para imunização começou em meados dos anos 70, com a criação do Programa Ampliado de Vacinação. A iniciativa alcançou resultados dramáticos, elevando o nível de imunização de 5% para mais de 80% em alguns países, até 2013.

A Organização Mundial da Saúde calcula que as vacinações atualmente evitam entre 2 e 3 milhões de mortes por ano e protegem outros milhões de doenças e invalidez.

A OMS afirmou que vai aumentar a ajuda a todos os países que não estão conseguindo cumprir as metas de vacinação. No mês que vem, a agência vai reunir representantes dos 34 países com dificuldades para aplicar a vacina tríplice.

O objetivo é discutir os desafios que eles encontram e explorar soluções para superá-los.

Segundo a OMS, não existe uma única forma de lidar com a vacinação, os planos precisam ser adaptados não só para os países, mas também para cidades e comunidades locais.

Leia Mais:

OMS celebra resultados da vacinação contra a pneumonia no Quénia

Iraque comemora um ano sem casos de poliomielite, diz OMS

OMS lança recomendações sobre hepatite B, que mata 650 mil por ano

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031