Ban pede investigação às mortes durante protestos no Burundi

Ouvir /

Secretário-geral das Nações Unidas disse que o seu enviado para a Região dos Grandes Lagos já seguiu para o país; Acnur fala que 21 mil civis fugiram em busca de abrigo no Ruanda.

Said Djinnit. Foto: ONU/Paulo Filgueiras

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Burundi deve iniciar uma investigação rápida às mortes ocorridas durante as recentes manifestações para que os autores sejam responsabilizados. As declarações foram feitas esta terça-feira pelo secretário-geral Ban Ki-moon.

As Nações Unidas anunciaram que pelo menos cinco pessoas perderam a vida desde que os protestos iniciaram no domingo.

Governo

Ban condenou o surto de violência no país, que eclodiu após a nomeação do presidente Pierre Nkurunziza como candidato para as presidenciais  a serem realizadas nos próximos dois meses.

A decisão foi tomada no fim de semana num encontro do partido do governo, o  Conselho Nacional para a Defesa da Democracia-Forças para a Defesa da Democracia, Cndd-Fdd.

Liberdades

Em nota, o chefe da ONU anuncia a ida ao país africano do enviado do secretário-geral para a Região dos Grandes Lagos. Said Djinnit vai realizar consultas com Nkurunziza, várias autoridades governamentais, políticos e membros do corpo diplomático.

O pedido de Ban Ki-moon é que as autoridades do Burundi protejam os direitos humanos de todos os cidadãos do país, incluindo a liberdade de reunião, de associação e de expressão.

O chefe da ONU exortou os serviços de segurança a continuarem imparciais e moderados na resposta às manifestações. Às partes envolvidas, o apelo é que rejeitem a violência e evitem o uso de linguagem inflamatória ou discursos de ódio que poderiam aumentar ainda mais as tensões.

Fuga de Civis

O secretário-geral disse que os burundeses devem salvaguardar os ganhos conquistados na consolidação da paz e da democracia, ao exortar que estes resolvam as suas diferenças através do diálogo.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, anunciou esta terça-feira que cerca de 21 mil civis fugiram para o vizinho Ruanda, em abril, para escapar da violência eleitoral. Mais de 5 mil atravessaram a fronteira no fim de semana.

De acordo com a agência, a maioria dos refugiados é composta por mulheres e crianças, que relataram experiências de intimidação e ameaças de violência relacionadas às eleições presidenciais previstas para 26 de junho.

Leia Mais:

Retomam protestos após morte de cinco pessoas no Burundi

Em dois dias, mais de mil pessoas deixaram o Burundi por medo de milícias

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031