"Saúde está no centro da redução do risco de desastres"

Ouvir /

Avaliação é de diretor-geral assistente para emergências da OMS; índice de segurança hospitalar da agência fornece indicadores e probabilidade de uma instalação de saúde continuar funcionando em uma situação de emergência.

Foto: OMS/C. Black

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

Para representantes da Organização Mundial da Saúde, OMS, o surto de ebola, as fortes tempestades na região da Ásia e Pacífico e conflitos como na Síria são lembretes de que a saúde e sistemas mais fortes devem estar no centro do novo marco para gestão de desastres. O tema está sendo discutido em Sendai, no Japão.

Falando a jornalistas na Terceira Conferência Mundial sobre Redução do Risco de Desastres, o diretor-geral assistente para emergências da OMS, Bruce Aylward, afirmou que "saúde e redução de risco de desastres estão profundamente conectados".

Resiliência

Ele mencionou que o objetivo é chegar a um novo acordo para gestão do risco de desastres que reduza a mortalidade e as perdas econômicas. Este vai suceder o firmado há 10 anos em Hyogo, também no Japão.

Ao lado de outros representantes da OMS e do Fundo de População das Nações Unidas, Unfpa, Aylward afirmou que "este acordo é muito diferente do visto em Hyogo porque não é só apenas sobre proteger a saúde das pessoas, mas também o reconhecimento de que a saúde está no centro da redução do risco de desastres".

Índice de Segurança Hospitalar

Ele afirmou que a OMS deve garantir que o novo acordo lide de forma mais efetiva com questões de saúde. Em Sendai, a agência vai destacar iniciativas importantes incluindo esforços para garantir medidas de alerta precoce para detectar e responder a surtos de doenças e pandemias de forma rápida e eficaz.

A OMS acelerou seu "índice de segurança hospitalar" para lançamento em Sendai. Segundo o especialista, essa ferramenta aponta 151 indicadores específicos para governos e ministérios da saúde.

Este forncece um panorama da probabilidade de que um hospital ou instalação de saúde continue funcionando em situações de emergência, com base em diversos fatores, incluindo o meio ambiente e a rede de sistema de saúde a qual ele pertence.

Tufão

Ele mencionou que quando o tufão Ruby atingiu as Filipinas no ano passado nenhuma instalação médica foi destruída. A razão, segundo o especialista, seriam principalmente as lições aprendidas e medidas postas em prática após o tufão Haiyan, que destruiu cerca de 600 instalações de saúde.

O diretor-geral assistente para emergências da OMS afirmou que a questão é sobre "mais do que edifícios. Aylward destacou que a gestão do risco de desastres também inclui garantir que sistemas de saúde inteiros possam funcionar de forma adequada e eficaz em casos de crises ou pandemias.

Os especialistas ressaltaram que sistemas de saúde resilientes podem reduzir vulnerabilidades, proteger instalações e serviços de saúde e aumentar a resposta para atender necessidades de saúde em desastres.

Leia Mais:

Ban diz que redução do risco de desastres deve fazer parte da agenda pós-2015

Agências da ONU aumentam apoio a Vanuatu após passagem de ciclone

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031