Mulheres e crianças sobrevivem mais do que nunca, diz ONU

Ouvir /

Secretário-geral disse que cerca de 2,4 milhões de mulheres e crianças foram salvas desde 2010;  Na sede das Nações Unidas,  Melinda Gates apelou para mais cuidados para recém-nascidos e aposta nos serviços de saúde reprodutiva.

Mulheres na Índia. Foto: Banco Mundial/Curt Carnemark

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

Maior número de mulheres e crianças sobrevive mais do que nunca, disse esta terça-feira o secretário-geral das Nações Unidas.

Ban Ki-moon  disse que o resultado deve-se ao esforço coletivo, ao anunciar que em todo o mundo foi salva a vida de cerca de 2,4 milhões de mulheres e crianças nos últimos cinco anos.

Estratégia

O chefe da ONU falava no lançamento do relatório sobre os progressos alcançados desde a adoção da Estratégia Global para a Saúde das Mulheres e Crianças “Every Woman, Every Child” ou Cada Mulher, Cada Criança . A iniciativa surgiu em setembro de 2010.

Ban destacou que mais menores recebem medicamentos para combater a diarreia, um maior número de bebés têm acesso à alimentação adequada e aos benefícios de saúde do aleitamento materno exclusivo.

Melinda Gates

No evento, a cofundadora da Fundação Bill e Melinda Gates,  disse que os cortes das mortes maternas e da mortalidade infantil foram um “progresso incrível”.

Melinda Gates  defendeu  que o passo a seguir é  trabalhar num plano de ação para os recém-nascidos e apostar em mais serviços de saúde reprodutiva  para mulheres e meninas.

HIV

Ban disse que houve maior acesso a esses serviços, ao citar também o aumento de mulheres a dar à luz numa unidade de saúde. Os avanços incluem mais grávidas a receber medicamentos antirretrovirais para prevenir a transmissão do HIV aos bebés.

Mais de 300 organizações de governos, da sociedade civil, acadêmicos e representantes do setor privado “fizeram mais de 400 compromissos específicos para promover a saúde e o bem-estar das mulheres e crianças”.

O chefe da ONU recomenda que seja aproveitada essa dinâmica para atingir os Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, ODMs, ainda por cumprir com vista ao “fim das mortes evitáveis e o investimento em mulheres, crianças e adolescentes”.

Rapidez

Após reconhecer o trabalho árduo de governos, Ban pediu ações conjuntas para a maior rapidez. O outro desafio é ir além do setor de saúde para parcerias em áreas como educação, empoderamento das mulheres, energia, nutrição, água e saneamento.

Para chegar às pessoas em áreas de conflito e com necessidades humanitárias, o chefe da ONU disse que são necessárias novas medidas.

O secretário-geral disse que um contínuo compromisso político, um aumento no financiamento inovador e fortes parcerias podem acabar com as mortes evitáveis de mulheres e crianças de forma realista numa geração.

Leia mais:

Progresso para mulheres nos últimos 20 anos tem sido “inaceitavelmente lento”

Na ONU, Angola e Moçambique citam desafios para empoderar mulheres

 

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031