Milhares marcham pelas ruas de Nova York pedindo igualdade de gênero

Ouvir /

Na caminhada do Dia Internacional da Mulher, secretário-geral Ban Ki-moon defende que desigualdade deve acabar até 2030; homens, mulheres e crianças de vários países participam pedindo fim da discriminação, da violência e acesso universal à educação.

Milhares seguiram até a Times Square. Foto: Rádio ONU/Carlota Fluxa

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

 "Queremos igualdade de gênero e queremos agora!" – assim, a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, e uma multidão deram início a uma marcha para celebrar o Dia Internacional da Mulher.

Milhares enfrentaram o frio de 5° C e caminharam, na tarde deste domingo, pelas ruas da região central de Nova York, cidade "pioneira" na luta pelos direitos das mulheres, como lembrou a primeira-dama Chirlane McCray.

A primeira-dama de Nova York lembrou a marcha ocorrida em 1908, quando 15 mil mulheres caminharam pedindo melhores salários e direito de voto. E 107 anos depois,  a ilha de Manhattan voltou a receber mulheres, homens e até crianças de várias partes do mundo, incluindo brasileiros e portugueses, que têm um pedido único: a igualdade de gênero.

Brasil e Portugal 

"Eu estou extremamente entusiasmada por participar e por trazer a minha voz contra todas as violações que ainda se fazem infelizmente no mundo inteiro contra os direitos humanos das mulheres, raparigas, meninas."

"Eu acho que é importante também os homens participarem porque não há para mim diferença nenhuma de gêneros para além das especifidades fisiológicas. Somos seres humanos e devemos ter igualdade em todos os direitos cívicos."

"A gente trouxe as crianças para a primeira marcha deles. Foi uma oportunidade da gente comentar com eles que nem em todos os países as meninas têm o direito de estudar, ou as meninas têm as mesmas oportunidades que os meninos."

2030

Já o secretário-geral da ONU fez um pronunciamento e pediu que a igualdade de gênero esteja no topo da agenda internacional. Ban Ki-moon falou que progressos importantes foram feitos desde a adoção, há 20 anos, da Declaração de

Marcha pela igualdade de gênero. Foto: Rádio ONU/Carlota Fluxa

Pequim, um documento modelo sobre autonomia feminina.

Mas na avaliação de Ban Ki-moon, os progressos estão lentos e desiguais e defendeu que a igualdade de gênero seja alcançada até 2030.  A marcha do Dia Internacional da Mulher, promovida pelas Nações Unidas e pela prefeitura de Nova York, contou também com a participação  do ator britânico Paul Bettany.

Paul declarou que estava marchando pela filha e por seus dois filhos, que segundo o ator, merecem viver num mundo livre da desigualdade de gênero. A caminhada marcou também o início de mais uma sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, que reunirá representantes políticos e civis na sede da ONU a partir desta segunda-feira.

Leia também: 

 “Mundo precisa responder aos ataques de extremistas contra mulheres”

ONU espera 20 mil pessoas na marcha do Dia Internacional da Mulher

ONU inicia celebrações para marcar Dia Internacional da Mulher

Mulheres ganham em média 77% do salário dos homens

ONU Mulheres cita avanços na igualdade de géneros em Moçambique

PMA: “Mulher no topo do mundo”

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031