Países lusófonos reforçam apoio internacional para nova fase da Guiné-Bissau

Ouvir /

Embaixadores do Brasil e de Portugal contaram à Rádio ONU que estão ajudando em diálogo com comunidade internacional para preparação da conferência de doadores, marcada para 24-25 de março em Bruxelas, na Bélgica.

A embaixadora do Timor-Leste Sofia Borges, que falou em nome da Cplp. Foto: ONU/Loey Felipe

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, informou que apoia, inteiramente, os esforços da Guiné-Bissau de levar a cabo a reforma política e de segurança do país.

Falando em nome da Cplp numa sessão sobre a Guiné-Bissau no Conselho de Segurança, nesta quinta-feira, a embaixadora do Timor-Leste, Sofia Borges, disse que o novo governo guineense está tomando as medidas certas para promover a estabilidade da nação do oeste da África.

Consolidação da Paz

O novo governo foi empossado em meados de 2014, dois anos após a Guiné ter sofrido um golpe de Estado.

Participaram do encontro representantes da Guiné-Bissau, de Angola, Portugal, Timor-Leste, São Tomé e Príncipe, entre outros.

O embaixador do Brasil junto à ONU, Antonio Patriota, que é também o presidente da Comissão de Consolidação da Paz das Nações Unidas, afirmou que o apoio internacional é palpável.

Investimento

"É perfeitamente realizável, as cifras não serão especialmente elevadas. É uma questão de apoiarmos projetos e programas, ajudar tanto nos programas sociais como na desmobilização e na aposentadoria de alguns efetivos das Forças Armadas, modernização das forças de segurança, e também velar para que haja investimento que propicie uma diversificação da economia bissau-guineense."

Já o embaixador de Portugal, Álvaro Mendonça e Moura, que também participou da reunião do Conselho, contou que seu país tem feito esforços políticos na União Europeia para que haja um financiamento robusto à nova fase guineense. Mendonça e Moura lembrou ainda que Portugal já está acertando os detalhes de uma parceria na formação de quadros militares no país africano.

Segurança e defesa

"Nós estamos a desenvolver diversas diligências a nível político no sentido de que, quer da parte dos nossos parceiros europeus, quer da própria Comissão Europeia, haja um envolvimento financeiro substancial no apoio à Guiné-Bissau. Este aspecto parece-nos fundamental para criar condições para levar para a frente a reforma do setor de segurança e defesa, e depois para criar as condições para o relançamento econômico do país."

Após a reunião, os países-membros do Conselho de Segurança se reuniram a portas fechadas sobre o tema da Guiné-Bissau. No relatório, o secretário-geral pediu a renovação do mandato da presença das Nações Unidas no país, com o Uniogbis, até fins de fevereiro de 2016.

A representante da Guiné-Bissau no encontro, Maria-Antonieta Pinto Lopes D'Alva afirmou que o apoio financeiro é vital para que o país africano avance com as reformas rumo à uma nova fase de estabilidades política e econômica.

Leia mais:

Guiné-Bissau quer apoio internacional para reforma de militares

Guiné-Bissau assina protocolo sobre crianças em conflitos armados

Parceria de Portugal com Guiné-Bissau ajuda a evitar contaminação pelo ébola

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 15 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031