Acnur e Cedeao debatem situação dos apátridas em África Ocidental

Ouvir /

Conferência em Cotê d'Ivoire, também conhecida como Costa do Marfim, tem como objetivo encontrar solução para o problema; mais de 750 mil pessoas  não têm nacionalidade ou estão em risco de tornarem-se apátridas na região.

Foto: ONU/Albert González Farran

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova Iorque.*

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados, Acnur, e a Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, Cedao, estão a debater a situação das pessoas apátridas, sem nacionalidade, que estão a viver no oeste de África.

A conferência sobre o assunto tem início nesta quarta-feira em Abidjan, capital da Cotê d'Ivoire, também conhecida como Costa do Marfim.

Solução Regional

O objetivo da reunião é encontrar uma solução regional para evitar, reduzir e eliminar o problema. Segundo o Acnur e a Cedeao, mais de 750 mil pessoas não têm nacionalidade ou estão a correr o risco de se tornarem apátridas na África Ocidental.

A campanha global lançada pelo Alto Comissariado para Refugiados é erradicar esta situação até 2024.

Segundo a ONU, a apatridia pode afetar ainda mais centenas de milhares de pessoas na região. Esta situação é causada por um sistema ineficaz de registo civil e quando a criança não é registada ao nascer, deixando-a incapaz de estabelecer sua nacionalidade.

Em alguns países, as mulheres não podem passar a sua nacionalidade para as crianças ou existem critérios discriminatórios com base na raça ou na etnia que impedem certos grupos de adquirir ou repassar a sua nacionalidade.

Direitos Negados

Segundo o Acnur, entre os apátridas na África Ocidental estão ex-refugiados e migrantes originários da Libéria. Além disso, estão também pessoas de origem da Mauritânia em exílio no Mali e no Senegal e os que vivem num "limbo" em territórios ocupados, como na península de Bakassi, entre a Nigéria e os Camarões.

A agência da ONU diz que sem a nacionalidade, as pessoas apátridas têm negado vários de seus direitos, entre eles a impossibilidade de obter documentos e por isso podem ser detidos por não possuírem uma prova de nacionalidade.

O Acnur explica ainda que estas pessoas não podem viajar, casar e têm negado também o acesso à educação e aos serviços de saúde.

A agência diz que o impacto psicológico por não ter uma nacionalidade é grande, já que essas pessoas sentem como se não existissem e que não têm condições de participarem plenamente da vida de suas comunidades.

*Apresentação: Denise Costa.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 8 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031