Cai índice do preço dos alimentos da FAO em dezembro

Ouvir /

Agência da ONU diz que 2014 foi o terceiro ano consecutivo de queda em todas as categorias à exceção da carne; larga produção de açúcar no Brasil ajudou a reduzir preço do produto no mercado internacional.

Foto: Banco Mundial/John Mackedon

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, informou que, em dezembro, o índice do preço dos alimentos caiu 1,7%.

A redução ocorreu após três meses de estabilidade puxada por cortes no preço do açúcar e do óleo de palmito. E mais uma vez, a larga produção de açúcar no Brasil ajudou a reduzir o preço da mercadoria para o consumidor final.

Oferta

De acordo com a FAO, 2014 foi o terceiro ano consecutivo da queda do índice em todas as categorias menos carne. A agência acredita que o aumento da oferta, o recorde de estoques associados à valorização do dólar americano, ajudaram com a redução.

Se comparados aos índices de 2013, a atual marca de 202 pontos representa uma queda de 3,7%. Os cereais lideraram a lista com uma redução de 12,5% em relação ao ano passado. Houve queda também nos derivados do leite e oleaginosas, além do arroz, que se beneficiou da subida nas taxas de exportação.

Já o preço do trigo, que registrou aumento em novembro, após rumores de que a Rússia poderia restringir a exportação, acabou sendo contornado com a alta do dólar.

Prateleiras

A FAO informou que o índice de preços dos derivados de leite é o mais baixo desde 2009 com a diminuição das importações pela China e pela Rússia, o que levou a mais oferta nos mercados internacionais. Com isso, o leite em pó, a manteiga e o queijo ficaram mais baratos nas prateleiras.

A leve redução de 1,9% em dezembro no preço da carne de vaca e de carneiro da Oceania, além da carne suína da Europa, não foi suficiente para frear o aumento do produto. Em 2014, a carne subiu 8,1%, a média mais alta dos últimos anos.

A queda no preço do barril de petróleo também tem ajudado a diminuir a pressão para que plantações de cana-de-açúcar sejam convertidas na produção de etanol.

O economista-sênior da FAO, Abdolreza Abbassian, afirmou que com o petróleo mais barato, a atração pelo etanol diminui naturalmente.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031