Banco Mundial prevê longo impacto do ebola sobre Libéria e Serra Leoa

Ouvir /

Novas pesquisas do órgão revelam que surto continua causando prejuízos em outros setores, como aumento do desemprego e da insegurança alimentar; Banco Mundial está mobilizando US$ 1 bilhão para ajudar países.

Libéria é um dos países mais afetados pelo surto. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Duas pesquisas divulgadas pelo Banco Mundial revelam que os impactos sócio-econômicos causados pelo ebola são de "longo prazo e persistentes". Os estudos foram realizados na Libéria e em Serra Leoa, dois dos países mais afetados pelo surto na África Ocidental.

A diretora-sênior para Pobreza do órgão, Ana Revenga, declarou que o ebola coloca "em alto risco" a futura prosperidade das nações.

Celulares

Para captar os efeitos sócio-econômicos, o Banco Mundial e instituições parceiras na Libéria e em Serra Leoa estão fazendo pesquisas via celular com a população.

Na Libéria, quase metade dos chefes de família estão sem trabalhar. A maioria era empregada em áreas urbanas do setor privado. As mulheres são as mais afetadas com a estagnação do mercado de trabalho.

Medo

Outra nova preocupação está relacionada com a capacidade dos agricultores trabalharem em equipe devido ao medo do ebola. Entre as famílias que conseguiram terminar suas colheitas, 80% declarou que os resultados foram menores do que no ano anterior. A principal razão citada foi a dificuldade de se trabalhar em grupo, o que fez com que muitas colheitas ficassem inacabadas.

A insegurança alimentar também permanece na Libéria e a população declarou não ter dinheiro suficiente para comprar arroz, que está 40% mais caro do que a média para janeiro.

Queda nas Receitas

Em Serra Leoa, 9 mil trabalhadores assalariados e 170 mil autônomos fora do setor agrícola estão parados desde julho. Entre as famílias que ainda operam o próprio negócio, as receitas diminuíram 40%.

Na capital Freetown, há evidências de queda na utilização dos serviços de saúde em casos não relacionados ao ebola. Um número menor de mulheres confirmou ter feito visitas médicas após o nascimento de seus bebês, na comparação com os dados de 2013.

O Banco Mundial pretende continuar fazendo as pesquisas pelo celular e assim, monitorar como o vírus afeta as famílias da África Ocidental. O órgão continua investindo US$ 1 bilhão, o equivalente a R$ 2,7 bilhões, para ajudar no comércio, nos investimentos e nos empregos na Guiné, na Libéria e em Serra Leoa.

Leia Mais:

Libéria deve testar duas vacinas contra ebola até o fim do mês, diz OMS

OMS: número de pessoas infectadas pelo ebola passa de 20 mil

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 11 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031