Chefe da Unesco pede proteção para zonas culturais no Iraque e na Síria

Ouvir /

Segundo Irina Bokova, para combater o "fanatismo", também é "preciso reforçar a educação"; secretário-geral afirmou que ONU endossa pedido que coloca diversidade cultural no coração das ações humanitárias nos dois países.

Foto: Unesco

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova York.

A chefe da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, apelou pela criação de "zonas culturais protegidas" no Iraque e na Síria, dois países afetados por conflitos.

Irina Bokova denunciou a perseguição de minorias, ataques ao patrimônio cultural e tráfico ilegal de propriedades culturais nas duas nações.

Educação

Segundo a chefe da agência, "não pode haver solução puramente militar para a crise". Ela afirmou que para combater o "fanatismo", também é "preciso reforçar a educação, a defesa contra o ódio e proteger a herança cultural, o que ajuda a moldar a identidade coletiva".

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou que o pedido da diretora-geral da Unesco de colocar a diversidade cultural no coração das ações humanitárias e de construção da paz na Síria e no Iraque é fortemente endossado pela organização.

Tanto o enviado especial do secretário-geral para Síria, Staffan de Mistura, quanto o chefe da Missão de Assistência da ONU para o Iraque, Unami, Nikolay Mladenov, enfatizaram a necessidade de integrar educação e cultura às medidas de emergência. Estas seriam feitas juntamente com assistência humanitária para proteger os direitos humanos e populações civis vulneráveis.

Crime de Guerra

Cerca de 500 especialistas e reprentantes dos dois países estiveram numa conferência internacional, na sede da Unesco em Paris, sobre ameaças à herança cultural e diversidade nestas nações.

Entre outros assuntos abordados, esteve a necessidade de implementar a Convenção para Proteção de Propriedade Cultral em Evento de Conflito Armado, de 1954, e seus protocolos adicionais. Outra questão foi o fim da impunidade dos ataques deliberados à herança cultural, um crime de guerra sob o Estatudo de Roma do Tribunal Penal Internacional, TPI.

Os participantes também expressaram apoio à proposta de proibição internacional ao comércio de antiquidades da Síria, de acordo com a recomendação feita pela equipe de monitoramento de sanções do Conselho de Segurança.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 13 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031