Brasil é o terceiro país com mais mortes por afogamento, diz OMS

Ouvir /

Com quase 6,5 mil mortes por ano, país aparece atrás do Japão e da Rússia; agência da ONU alerta que 372 mil pessoas morrem afogadas todos os anos no mundo, a maioria em países de baixa e média rendas.

Relatório Global sobre Afogamento. Imagem: OMS

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, alertou que 372 mil pessoas morrem afogadas todos os anos no mundo.

Segundo o primeiro "Relatório Global sobre Afogamento: Evitando uma das Maiores Causas de Morte", lançado esta segunda-feira em Genebra, o problema está entre as 10 principais causas de morte de crianças e jovens em todas as regiões.

Crianças

O Brasil aparece como terceiro país com o maior número de mortes por afogamento, ficando atrás do Japão e da Rússia.  A OMS informou que ocorreram 6487 afogamentos em 2011 no Brasil. Já na Rússia, foram quase 12 mil afogamentos e no Japão, quase 9 mil.

Atrás do Brasil estão os Estados Unidos e a Tailândia. Já Portugal registrou 140 mortes por afogamento.

O documento mostra que o maior índice de casos ocorre entre crianças menores de cinco anos e mais da metade das pessoas que morrem afogadas têm menos de 25 anos.

Número Grande

De Genebra, o diretor do Departamento de Controle de Doenças Crônicas e de Prevenção da Violência e dos Traumatismos da OMS, Etienne Krug, falou à Rádio ONU sobre a situação do Brasil.

"O Brasil tem mais de 6 mil afogamentos por ano, que é um número grande. Acho que primeiro devem ser implementadas as medidas de prevenção básicas a nível das comunidades. Entre essas ações estão a instalação de barreiras (grades para impedir a aproximação das crianças), ter locais seguros para que essas crianças possam ficar durante o período em que os pais trabalham e também ensinar as crianças a nadar nas escolas primárias".

O médico da OMS falou também sobre as partes do mundo onde ocorrem mais afogamentos.

"As regiões do mundo onde os afogamentos mais acontecem são a África, no sul e no leste da Ásia e também nas regiões do Pacífico. Aí temos as maiores taxas, mas (o afogamento) é um problema mundial que ocorre em todos os países.

Homens x Mulheres

O relatório diz ainda que os homens têm o dobro de chances de morrerem afogados em comparação às mulheres. Além disso, mais de 90% das mortes ocorrem em países de baixa e média rendas.

O documento pede aumento dos esforços e dos recursos para evitar os afogamentos. A diretora-geral da OMS, Margaret Chan afirmou que "ações devem ser tomadas pelos governos federais e estaduais para colocar em prática medidas simples de prevenção".

Entre as recomendações da OMS estão a instalação de grades para evitar o acesso das crianças à água e, também, ensinar noções básicas de natação a elas. Outro objetivo é ensinar técnicas de salvamento as pessoas que frequentem praias e piscinas.

No plano nacional, a Organização Mundial da Saúde afirma que as intervenções devem incluir a adoção de novas regulações sobre navegação e políticas de segurança na água.

A OMS diz que as mortes por afogamento devem ser maiores já que o relatório não inclui os casos de suicídio, homicídio, alagamentos e cheias ou naufrágios.

O relatório chama atenção também para a necessidade de se tornar a prevenção dos afogamentos como parte dos debates mundiais, como por exemplo, a mudança climática.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 20 DE NOVEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 20 DE NOVEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

novembro 2017
S T Q Q S S D
« out    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930