África vai liderar expansão da criação de peixe até 2022, diz FAO

Ouvir /

Relatório prevê crescimento da aquacultura acima dos 5% no continente; documento que aborda a pesca alerta ao Brasil sobre potencial da captura da lagosta de forma insustentável.

Foto: FAO/Filipe Branquinho

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

África pode registar o maior crescimento da aquacultura na próxima década segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO.

Um relatório da agência, lançado esta sexta-feira,  coloca também a Ásia a liderar em termos de regiões onde a atividade deve expandir mais do que as previsões.

Investimentos

O crescimento anual no continente africano deve continuar a ultrapassar os 5%, apesar de ser em “nível muito baixo do atual”.

Falando à Rádio ONU, de Lisboa, o representante da FAO na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, Cplp, abordou o reflexo do crescimento do consumo do peixe nas nações do bloco.

Os comentários foram feitos por Hélder Muteia em torno da elasticidade da despesa para o peixe que para Angola será de cerca de 0,7; para o Brasil, em torno de 0,5; para Portugal, aproximadamente 0,4; e Moçambique a rondar 0,7.

“Nos países como Moçambique e Angola, o aumento do rendimento das pessoas vai fazer com que haja mais consumo, vai fazer com que eles procurem mais o produto, vai haver mais procura de peixe no mercado. Em países como Portugal e o Brasil, onde a elasticidade é menor, significa que o aumento não será tão grande relativamente aos outros países. ”

Viveiros

A nível global, o aumento do investimento na criação de peixes deve impulsionar a produção anual em viveiros em até 4,14% até 2022.

A Análise Económica da Oferta e da Demanda por Alimentos até 2030 – Foco Especial em Peixes e Produtos da pesca destaca que cerca de 30% das populações de peixes estão sobre-explorados. Trata-se de uma ligeira diminuição relativamente aos dois anos anteriores.

Brasil

O Brasil é o 12º maior produtor de aquacultura com 629 mil toneladas. O documento menciona o mercado ilegal vibrante de lagostas imaturas do país para os Estados Unidos e alerta que, enquanto a demanda continuar,  a pesca será feita de forma insustentável.

O estudo expõe cenários de aumento da produção de peixes em viveiros de 66 milhões de toneladas em 2012 para 85 milhões em 2022. Prevê-se o aumento da captura de pescado de 91 a 95 milhões de toneladas.

Compartilhe

JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
JORNAL DA ONU - 5 MIN, 14 DE DEZEMBRO DE 2017
Loading the player ...

SIGA A RÁDIO ONU NAS REDES SOCIAIS

 

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031